Asteroide de 1 km passará perto da Terra

Um asteroide que é mais largo que o edifício mais alto do mundo está pronto para fazer um de seus encontros mais próximos com a Terra. A NASA projeta que o asteróide, chamado 7482 (1994 PC1), passará nesta terça-feira. 

Estima-se que o asteroide tenha cerca de 1 quilômetro, ou mais de 3.280 pés, de diâmetro – um tamanho que é mais que o dobro da altura do Empire State Building de Nova York, que tem 1.454 pés da base à antena e centenas de pés a mais de Burj Khalifa de Dubai, o edifício mais alto do mundo, com 2.716,5 pés de altura. 

O Laboratório de Propulsão a Jato da NASA acredita que o corpo espacial pode chegar a 1.231.184 milhas da Terra. Este seria o mais próximo que o asteroide chegou da Terra desde 17 de janeiro de 1933, quando a NASA projetou que ele estava a menos de 700.000 milhas do planeta. 

Também está previsto que o asteroide passe pela Terra novamente em julho deste ano, embora a uma distância muito maior, disse a NASA. A próxima vez que se prevê que ele voe pela Terra a uma distância tão próxima não será até 18 de janeiro de 2105, quando se prevê que chegue a 1.445.804 milhas. 

A agência espacial monitora esse asteroide em particular desde que foi descoberto em agosto de 1994 e o classificou como um asteroide Apollo, o que significa que sua órbita cruza a da Terra e tem eixos ligeiramente maiores. Também é classificado como “potencialmente perigoso” por seu “potencial de fazer aproximações ameaçadoras à Terra”, de acordo com a NASA. 

Existem mais de um milhão de asteróides conhecidos, e não é incomum que muitos voem pela Terra, com a esmagadora maioria deles sendo de pouca preocupação. Na quarta e quinta-feira desta semana, por exemplo, há pelo menos cinco asteroides passando pelo planeta, incluindo um do tamanho de um ônibus e três do tamanho de uma casa, segundo a NASA. 

No entanto, existem cerca de 25.000 asteroides próximos da Terra com pelo menos 150 metros de largura que podem ser “ devastadores ” se colidirem com a Terra, de acordo com Nancy Chabot, cientista planetária-chefe do Laboratório de Física Aplicada da Universidade Johns Hopkins.

“Na verdade, não estamos falando de um evento de extinção global, mas de uma devastação regional na área que pode acabar com uma cidade ou mesmo um pequeno estado”, afirmou ela anteriormente. “E por isso é uma preocupação real. É uma ameaça real.”

E caso haja uma emergência de asteroide no futuro semelhante à de “Don’t Look Up” da Netflix, a NASA já está trabalhando em uma solução. Em novembro, a agência lançou uma sonda que colidirá de frente com um pequeno asteroide no próximo outono como parte de um teste para ver se é possível empurrar um futuro asteroide para fora do curso se parecer que vai ter uma colisão catastrófica com o planeta. 

O Double Asteroid Redirection Test, ou DART, colidirá com um corpo de 525 pés de largura chamado Dimorphos a 15.000 milhas por hora. 

Comente!