O Mapa Mundial de Piri Reis de 1513

Em 1929, um grupo de historiadores encontrou um mapa incrível desenhado em uma pele de gazela.

A pesquisa mostrou que se tratava de um documento genuíno desenhado em 1513 por Piri Reis, famoso almirante da frota turca no século XVI. Sua paixão era a cartografia. Sua alta patente na marinha turca permitiu-lhe ter um acesso privilegiado à Biblioteca Imperial de Constantinopla.

O almirante turco admite em uma série de notas no mapa que compilou e copiou os dados de um grande número de mapas de origem, alguns dos quais datados deséculo IV aC ou antes.

A controvérsia O mapa de Piri Reis mostra a costa oeste da África, a costa leste da América do Sul e a costa norte da Antártica. O litoral norte da Antártica é perfeitamente detalhado.

O mais intrigante, porém, não é tanto como Piri Reis conseguiu desenhar um mapa tão preciso da região Antártica 300 anos antes de ser descoberto, mas que o mapa mostra a costa sob o gelo.

Evidências geológicas confirmam que a última data em que a Terra da Rainha Maud poderia ter sido mapeada em um estado sem gelo é 4000 AC.A ciência oficial disse o tempo todo que a calota polar que cobre a Antártica tem milhões de anos.

O mapa de Piri Reis mostra que a parte norte daquele continente foi mapeada antes que o gelo a cobrisse. Isso deveria fazer pensar que foi mapeado há milhões de anos, mas isso é impossível, pois a humanidade ainda não existia naquela época.Estudos adicionais e mais precisos provaram que o último período de condição sem gelo na Antártica terminou há cerca de 6.000 anos.

Ainda há dúvidas sobre o início desse período sem gelo, que foi colocado por diferentes pesquisadores entre os anos 13.000 e 9.000 aC.A pergunta é: Quem mapeou a Terra Rainha Maud da Antártica há 6.000 anos?

Que civilização desconhecida tinha a tecnologia ou a necessidade de fazer isso?É bem sabido que a primeira civilização, de acordo com a história tradicional, se desenvolveu no Oriente Médio por volta do ano 3000 aC, logo sendo seguida em um milênio pelo vale do Indo e pelos chineses.

Portanto, nenhuma das civilizações conhecidas poderia ter feito tal trabalho. Quem esteve aqui 4000 anos AC, sendo capaz de fazer coisas que AGORA são possíveis com as tecnologias modernas?

Em 6 de julho de 1960, a Força Aérea dos Estados Unidos respondeu ao Prof. Charles H. Hapgood do Keene College, especificamente ao seu pedido de avaliação do antigo Mapa de Piri Reis:

6 de julho de 1960
Subject: Admiral Piri Reis Map
PARA: Prof. Charles H. Hapgood
Keene College
Keene, New Hampshire

Caro Professor Hapgood,

Seu pedido de avaliação de certas características incomuns do mapa de Piri Reis de 1513 por esta organização foi revisado.

A alegação de que a parte inferior do mapa retrata a Costa da Princesa Martha da Terra da Rainha Maud, na Antártida e na Península de Palmer, é razoável.

Achamos que esta é a interpretação mais lógica e com toda probabilidade a correta do mapa. O detalhe geográfico mostrado na parte inferior do mapa concorda muito notavelmente com os resultados do perfil sísmico feito no topo da calota de gelo pela Expedição Antártica Sueca-Britânica de 1949.

Isso indica que a linha costeira foi mapeada antes de ser coberta pela calota polar. A calota polar nesta região tem agora cerca de um quilômetro de espessura.

Não temos ideia de como os dados deste mapa podem ser conciliados com o suposto estado do conhecimento geográfico em 1513.

Durante toda a Idade Média circularam várias cartas náuticas chamadas “portolani”, que eram mapas precisos das rotas de navegação mais comuns, mostrando litorais, portos, estreitos, baías etc. mares, e outras rotas conhecidas, assim como o livro de navegação que o próprio Piri Reis havia escrito.

Mas alguns relataram terras ainda desconhecidas e estavam circulando entre poucos marinheiros que aparentemente mantinham seus conhecimentos sobre aqueles mapas especiais tão ocultos quanto podiam.

Supõe-se que Colombo foi um dos conhecedores dessas cartas de navegação especiais.Para traçar seu mapa, Piri Reis utilizou várias fontes diferentes, coletadas aqui e ali ao longo de suas viagens.

Ele mesmo fez anotações no mapa que nos dão uma imagem do trabalho que ele vinha fazendo no mapa. Ele diz que não foi responsável pelo levantamento e cartografia originais.

Seu papel era meramente o de um compilador que usava um grande número de mapas-fonte. Ele diz então que alguns dos mapas-fonte foram desenhados por marinheiros contemporâneos, enquanto outros eram mapas de grande antiguidade, datando do século 4 aC ou antes.

O Dr. Charles Hapgood, em seu livro Maps of the Ancient Sea Kings (livros Turnstone, Londres 1979, prefácio), disse que:Parece que informações precisas foram transmitidas de pessoa para pessoa.

Parece que as cartas devem ter se originado de um povo desconhecido e foram transmitidas, talvez pelos minóicos e pelos fenícios, que foram, por mil anos e mais, os maiores marinheiros do mundo antigo.

Temos evidências de que foram coletados e estudados na grande biblioteca de Alexandria (Egito) e as compilações deles foram feitas pelos geógrafos que ali trabalharam.

Provavelmente, Piri Reis já tinha ficado de posse de cartas outrora localizadas na Biblioteca de Alexandria, a mais conhecida e importante biblioteca dos tempos antigos.

De acordo com a reconstrução de Hapgood, cópias desses documentos e alguns dos mapas originais foram transferidos para outros centros de ensino, e entre eles para Constantinopla.

Então, em 1204, ano da quarta cruzada, quando os venezianos entraram em Constantinopla, esses mapas começaram a circular entre os marinheiros europeus.

A maioria desses mapas – continua Hapgood – eram do Mediterrâneo e do mar Negro. Mas os mapas de outras áreas sobreviveram. Isso incluía mapas das Américas e mapas dos oceanos Ártico e Antártico.

Torna-se claro que os antigos viajantes viajaram de pólo a pólo. Por incrível que pareça, as evidências indicam, no entanto, que alguns povos antigos exploraram a Antártica quando suas costas estavam livres de gelo.

É claro também que eles tinham um instrumento de navegação para determinar com precisão as longitudes que era muito superior a tudo o que possuíam os povos dos tempos antigos, medievais ou modernos até a segunda metade do século XVIII. […]

Esta evidência de uma tecnologia perdida apoiará e dará crédito a muitas das outras hipóteses que foram apresentadas de uma civilização perdida em tempos remotos.

Os estudiosos têm sido capazes de descartar a maioria dessas evidências como mero mito, mas aqui temos evidências que não podem ser rejeitadas.

A evidência requer que todas as outras evidências que foram apresentadas no passado devem ser reexaminadas com uma mente aberta. “(Ibid.)Em 1953, um oficial da marinha turca enviou o mapa de Piri Reis ao Departamento Hidrográfico da Marinha dos Estados Unidos.

Para avaliá-lo, MI Walters, o engenheiro-chefe do Bureau, pediu ajuda a Arlington H. Mallery, uma autoridade em mapas antigos, que já havia trabalhado com ele.

Após um longo estudo, Mallery descobriu o método de projeção usado. Para verificar a precisão do mapa, ele fez uma grade e transferiu o mapa de Piri Reis para um globo: o mapa era totalmente preciso.

Afirmou que a única forma de desenhar um mapa com tanta precisão era o levantamento aéreo: mas quem, há 6.000 anos, poderia ter usado aviões para mapear a Terra?

A Oficina Hidrográfica não acreditou no que viu: até conseguiram corrigir alguns erros dos mapas actuais !!A precisão na determinação das coordenadas longitudinais, por outro lado, mostra que para traçar o mapa era necessário usar a trigonometria esferóide, um processo supostamente desconhecido até meados do século XVIII.

Hapgood provou que o mapa de Piri Re’is é plotado em geometria plana, contendo latitudes e longitudes em ângulos retos em uma “grade” tradicional; no entanto, é obviamente copiado de um mapa anterior que foi projetado usando trigonometria esférica!

Os primeiros criadores de mapas não apenas sabiam que a Terra era redonda, mas também tinham conhecimento de sua verdadeira circunferência a 80 quilômetros!

Hapggod havia enviado sua coleção de mapas antigos (veremos que o mapa de Piri reis não era o único …) para Richard Strachan, no Instituto de Tecnologia de Massachusetts. Hapggod queria saber exatamente o nível matemático necessário para desenhar os mapas-fonte originais.

Strachan respondeu em 1965, dizendo que o nível tinha que ser muito alto.Na verdade, Strachan disse que, para desenhar tais mapas, os autores tinham que saber sobre a trigonometria esferóide, a curvatura da terra, métodos de projeção; conhecimento de alto nível.

A forma como o mapa de Piri Reis mostra as terras da Rainha Maud, seus litorais, seus rios, cadeias de montanhas, planaltos, desertos, baías, foi confirmada por uma expedição britânico-sueca à Antártica (como disse Olhmeyer em sua carta a Hapggod); os pesquisadores, usando sonar e sondagens sísmicas, indicaram que essas baías e rios etc, estavam sob a calota de gelo, que tinha cerca de uma milha de espessura.

Charles Hapggod, em 1953, escreveu um livro chamado “Mudança da crosta da Terra: uma chave para alguns problemas básicos das ciências da terra”, onde ele inventou uma teoria para explicar como a Antártica não tinha gelo até o ano 4000 aC (ver Bibliografia).A teoria que se resume é a seguinte:

A razão pela qual a Antártica não tinha gelo e, portanto, era muito mais quente, deve-se ao fato de que, ao mesmo tempo, sua localização não era o pólo sul.

Ele estava localizado a cerca de 2.000 milhas mais ao norte. Hapgood diz que isso “o teria colocado fora do Círculo Antártico em um clima temperado ou temperado frio”.

A razão pela qual o continente se moveu para sua localização atual deve ser encontrada em um mecanismo chamado “deslocamento da crosta terrestre”. Este mecanismo, que não deve ser confundido com as placas tectônicas ou a deriva continental, é aquele pelo qual a litosfera, toda a crosta externa da terra “pode ??ser deslocada às vezes, movendo-se sobre o corpo interno macio, como a pele de um a laranja, se solta, pode deslocar-se sobre a parte interna da laranja inteira “.

Essa teoria foi enviada a Albert Einstein, que respondeu a Hapgood em termos muito entusiasmados. Embora os geólogos não parecessem aceitar a teoria de Hapgood, Einstein parecia tão aberto quanto Hapgood dizendo:“Em uma região polar, há uma deposição contínua de gelo, que não é simetricamente distribuída em torno do pólo.

A rotação da Terra atua sobre essas massas depositadas assimetricamente e produz um momento centrífugo que é transmitido para a crosta rígida da Terra. o aumento do momento centrífugo produzido desta forma, quando atinge um certo ponto, produz um movimento da crosta terrestre sobre o resto do corpo da Terra ….

De qualquer forma, se a teoria de Hapgood está correta, o mistério ainda emociona.

O mapa de Piri Reis é algo que não deveria existir. Quero dizer que de forma alguma deveria haver alguém tão distante no tempo capaz de desenhar um mapa com tal precisão; na verdade, as coordenadas longitudinais relativas são totalmente precisas, como afirmam os estudos oficiais no mapa que vimos acima.

E esta é uma demonstração de tecnologia impossível: o primeiro instrumento a calcular a longitude de forma aproximadamente correta foi inventado em 1761 pelo inglês John Harrison.

Antes não havia como calcular a longitude de forma aceitável: poderia haver erros de centenas de quilômetros ….E o mapa de Piri Reis é apenas um entre vários que mostram terras supostamente desconhecidas, conhecimentos impossíveis, precisão que ainda hoje surpreenderia ……..

Na verdade, o próprio Piri Reis admitiu que baseou seu mapa em cartas bem mais antigas; e esses mapas mais antigos foram usados ??como fontes por outros que desenharam mapas diferentes, ainda de grande precisão.

Impressionante é o “Portolano de Dulcert”, ano 1339, onde a latitude da Europa e do Norte da África é perfeita, e as coordenadas longitudinais do Mediterrâneo e do mar Negro se aproximam de meio grau.Um gráfico ainda mais surpreendente é o “gráfico de Zeno”, ano 1380.

Ele mostra uma grande área ao norte, subindo até a Groenlândia; Sua precisão é espantosa. “É impossível”, diz Hapgood “que alguém no século XIV pudesse ter encontrado as latitudes exatas desses lugares, sem falar na precisão das longitudes” …

Outro gráfico surpreendente é o desenhado pelo turco Hadji Ahmed, ano 1559, no qual ele mostra uma faixa de terra, cerca de 1600 km. de largura, que une o Alasca e a Sibéria. Essa ponte natural ficou então coberta pela água devido ao fim do período glacial, que elevou o nível do mar.

Oronteus Fineus foi outro que desenhou um mapa de incrível precisão. Ele também representou a Antártica sem calota polar, ano de 1532.Há mapas que mostram a Groenlândia como duas ilhas separadas, como foi confirmado por uma expedição polar francesa que descobriu que há uma calota de gelo bastante espessa unindo o que na verdade são duas ilhas.

Como vimos, muitos gráficos nos tempos antigos retratavam, podemos dizer, toda a geografia terrestre. Parecem ser peças de um mapa mundial muito antigo, desenhado por desconhecidos que conseguiram utilizar uma tecnologia que consideramos uma conquista dos tempos modernos.

Quando se supunha que os seres humanos viviam de maneira primitiva, alguém “colocava no papel” toda a geografia da Terra.

E esse conhecimento comum de alguma forma se desfez em pedaços, então reunido aqui e ali por várias pessoas, que haviam perdido o conhecimento, e apenas copiaram o que puderam encontrar em bibliotecas, bazares, mercados e sobre todos os tipos de lugares.

Hapggod fez uma revelação que surpreendentemente o levou mais longe nesta estrada: ele descobriu um documento cartográfico copiado por uma fonte mais antiga esculpido em uma coluna de rocha, China, ano 1137.

Ele mostrava o mesmo alto nível de tecnologia das outras cartas ocidentais, o mesmo método de grade, o mesmo uso de trigonometria esferóide.

Tem tantos pontos em comum com as ocidentais que faz pensar mais do que razoavelmente, que deveria haver uma fonte comum: poderia ser uma civilização perdida, talvez a mesma que foi perseguida por milhares de anos até agora?

Mapa de Piri Re’is é frequentemente exibido em casos que buscam provar que a civilização já foi avançada e que, por meio de algum evento ou eventos desconhecidos, só agora estamos adquirindo alguma compreensão desse misterioso declínio cultural.

A civilização mais antiga conhecida, os sumérios na Mesopotâmia, aparecem do nada por volta de 4.000 aC, mas não têm herança cultural náutica ou marítima. Eles, entretanto, falam com reverência de povos ancestrais que eram como os “deuses” e eram conhecidos como os Nefilim.

Aqui está um resumo de algumas das descobertas mais incomuns sobre o mapa:

O exame minucioso do mapa mostra que os fabricantes conheciam a circunferência precisa da Terra com uma precisão de 50 milhas.O litoral e a ilha que são mostrados na Antártica devem ter sido navegados em algum período antes de 4.000 aC, quando essas áreas estavam livres de gelo desde a última Idade do Gelo.

O mapa é considerado um dos primeiros “mapas mundiais” a mostrar as Américas. Os primeiros estudiosos sugeriram que ele mostrava latitudes precisas das costas da América do Sul e da África – apenas 21 anos após as viagens de Colombo! (E lembre-se, Colombo NÃO descobriu a América do Norte – apenas o Caribe!)

Escrevendo em Piri Re’is, seu próprio manuscrito descreveu como ele fez o mapa a partir de uma coleção de mapas antigos, complementados por gráficos desenhados pelo próprio Colombo. Isso sugere que esses mapas antigos estavam disponíveis para Colombo e poderiam ter sido a base de sua expedição.

Como pode ser visto abaixo, uma projeção azimutal (olhando para o globo de um ponto acima do globo), do ponto acima do Cairo, na África (Egito), mostra que o mapa de Piri Reis corresponde mais ou menos ao quadrante inferior direito deste mapa se girar cerca de 20 graus no sentido anti-horário.

O próprio comentário de Piri Re’is indica que alguns de seus mapas de origem eram da época de Alexandre, o Grande (332 aC). Os contornos do mapa de Piri Reis (imagem à esquerda), e uma projeção azimutal do globo real (imagem à direita), mostram distorções muito semelhantes.

Análise moderna do mapa de Piri Reis – Conclusões SurpreendentesAlém de seu grande interesse histórico, o mapa foi acusado de conter detalhes que nenhum europeu poderia ter conhecido nos anos 1500 e, portanto, prova a existência de civilizações tecnológicas antigas, visitas de extraterrestres, ou ambos.

Em resposta às pessoas que perguntam como explicar por que o Mapa de Piri Reis mostra o litoral da Antártica com precisão, a resposta é – não mostra. Em especial, não mostra o litoral subglacial da Antártica, que corresponde ao litoral existente na Antártica em quase todo o continente.

Comente!