A Caverna de Tayos

A Caverna de Tayos é uma caverna natural localizada na encosta oriental da Cordilheira dos Andes, na província de Morona-Santiago do Equador.

A caverna foi popularizada pelo livro de Erich von Daniken de 1973,  O Ouro dos Deuses , no qual ele escreveu que Juan Moricz alegou ter explorado a Cueva de los Tayos em 1969 e descoberto montes de ouro, esculturas incomuns e uma biblioteca metálica. 

Diz-se que esses itens estão localizados dentro de túneis artificiais que foram criados por uma civilização perdida com a ajuda de seres extraterrestres. 

Von Däniken já havia despertado a imaginação pública ao sugerir que extraterrestres estavam envolvidos em civilizações antigas em seu popular livro Chariots of the Gods?.

Como resultado das afirmações publicadas no livro de von Däniken, uma investigação da Cueva de los Tayos foi organizada por Stan Hall da Grã-Bretanha em 1976.

Uma das maiores e mais caras explorações de cavernas já realizadas, a expedição incluiu mais de cem pessoas, incluindo especialistas em uma variedade de campos, militares britânicos e equatorianos, uma equipe de filmagem e o ex-astronauta Neil Armstrong. 

A equipe também incluiu oito espeleólogos britânicos experientes que exploraram exaustivamente a caverna e conduziram um levantamento preciso para produzir um mapa detalhado da caverna. 

Não havia evidências das afirmações mais exóticas de Von Däniken, embora algumas características físicas da caverna se aproximassem de suas descrições e alguns itens de interesse zoológico, botânico e arqueológico foram encontrados.

No século 20, um missionário católico romano chamado Padre Carlo Crespi ajudou os índios locais, a cultura Shuar, que deu a ele alguns presentes únicos que muitas vezes assumiam a forma de artefatos elaboradamente esculpidos, alguns feitos de ouro ou outros metais preciosos. 

Muitos desses artefatos apresentam entalhes e símbolos elaborados que não estão associados ao povo Shuar. Um dos presentes foi uma placa de metal com 36 símbolos que ninguém conseguiu traduzir.

Em 1991, um equatoriano tripulado chamado Patronio Jaramillo que alegou ter entrado na caverna por uma entrada secreta em 1946 quando era um adolescente. Ele alegou que teve que mergulhar na água, nadar por um túnel subaquático e então subir. 

Ele descreveu a peregrinação por câmara após câmara de relíquias antigas, incluindo uma vasta sala de livros feitos de ouro e outros metais – livros com escrita irreconhecível, possivelmente como aqueles na coleção do padre Crespi – símbolos de origem desconhecida. 

Jaramillo morreu antes que pudesse mostrar a alguém onde a caverna estava localizada.

Comente!