Astrônomos veem uma galáxia distante começando a morrer

Astrônomos viram uma galáxia distante começando a morrer no que poderia ser um grande avanço em nossa compreensão do cosmos.

Galáxias começam a “morrer” quando param de formar estrelas. Os astrônomos observaram uma vasta gama de galáxias mortas espalhadas pelo universo – mas não foram capazes de dizer exatamente por que isso acontece.

Agora, os astrônomos têm uma visão clara de um evento tão espetacular e esperam que ele possa lançar luz sobre o processo que leva as galáxias à extinção.

A galáxia observada está perdendo cerca de 10.000 Sóis de gás a cada ano, o que significa que está ficando sem combustível para fazer novas estrelas. Agora ele perdeu quase metade desse gás e, como ainda está criando estrelas a uma taxa centenas de vezes mais rápida do que a nossa Via Láctea, vai consumir os restos em apenas algumas dezenas de milhões de anos e vai morrer como faz.

Como a galáxia está a 9 bilhões de anos-luz de distância, os astrônomos estão na verdade observando eventos que aconteceram na relativa juventude do universo, quando o cosmos tinha apenas 4,5 bilhões de anos.

Os astrônomos pensam que a morte dramática foi causada por uma colisão com outra galáxia, potencialmente mudando nossa compreensão de como os eventos podem acontecer.

Quando as duas galáxias colidiram, elas se juntaram para criar aquela observada pelos astrônomos e denominada ID2299. A evidência da colisão foi encontrada na forma de uma “cauda de maré” – um longo fluxo de estrelas e gás que se estende para o espaço interestelar.

Essas pistas geralmente são muito obscuras para serem vistas em galáxias distantes. Mas os pesquisadores o pegaram, por acidente, no momento em que estava sendo lançado e puderam identificá-lo.

A morte de galáxias ocorre quando seu material de formação estelar é lançado ao espaço, deixando-o sem o material necessário para fazer novas estrelas. Até agora, a maioria dos astrônomos acreditava que isso acontecia como resultado dos ventos que explodem quando as estrelas se formam e dos buracos negros que ficam no centro da galáxia.

A nova pesquisa indica, no entanto, que tais colisões podem matá-los também.

O novo artigo também sugere que esses dois eventos podem ser facilmente misturados: quando as ejeções de gás são causadas por fusões e deixam para trás caudas de maré, elas podem ser semelhantes às mortes causadas pelos ventos.

Como tal, pesquisas anteriores que pareciam apontar para os ventos poderiam, na verdade, ter observado as caudas das marés o tempo todo, disseram os pesquisadores, e o trabalho anterior pode precisar ser reavaliado.

Comente!