Göbekli Tepe: O templo mais antigo do mundo?

Göbekli Tepe é um enorme complexo monolítico no sudeste da Turquia.

Os arqueólogos levantaram a hipótese de que o local é o templo mais antigo conhecido pela humanidade. Mas o que sabemos sobre isso? E por que os arqueólogos pensam que é um local religioso?


A 10 km de Urfa, uma cidade antiga no sudeste da Turquia, Klaus Schmidt fez uma das descobertas arqueológicas mais surpreendentes do nosso tempo: enormes pedras esculpidas com cerca de 11.000 anos, criadas e organizadas por pessoas pré-históricas que ainda não tinham desenvolvido ferramentas de metal ou mesmo cerâmica.

Os megálitos são anteriores a Stonehenge por cerca de 6.000 anos. O local é chamado Gobekli Tepe, e Schmidt, um arqueólogo alemão que trabalha aqui há mais de uma década, está convencido de que é o local do templo mais antigo do mundo.

Nova luz sobre Stonehenge

Gobekli Tepe foi examinado pela primeira vez – e demitido – pelos antropólogos da Universidade de Chicago e da Universidade de Istambul na década de 1960.

Como parte de uma pesquisa abrangente da região, eles visitaram a colina, viram algumas lajes quebradas de calcário e assumiram que o monte não passava de um cemitério medieval abandonado.

Em 1994, Schmidt estava trabalhando em sua própria pesquisa de locais pré-históricos na região.

Depois de ler uma breve menção ao topo da colina cheia de pedras no relatório dos pesquisadores da Universidade de Chicago, ele decidiu ir para lá. Desde o momento em que viu pela primeira vez, ele sabia que o lugar era extraordinário.

Diferente dos fortes planaltos próximos, o Gobekli Tepe (o nome significa “colina do ventre” em turco) tem um topo suavemente arredondado que se eleva 50 pés acima da paisagem circundante. Para os olhos de Schmidt, a forma se destacava.

“Somente o homem poderia ter criado algo assim”, diz ele. “Ficou claro imediatamente que este era um site gigantesco da Idade da Pedra”. Os pedaços quebrados de calcário que os pesquisadores anteriores haviam confundido com lápides subitamente assumiram um significado diferente.

Schmidt voltou um ano depois com cinco colegas e eles descobriram os primeiros megálitos, alguns enterrados tão perto da superfície que estavam marcados por arados.

Enquanto os arqueólogos se aprofundavam, desenterraram pilares dispostos em círculos. A equipe de Schmidt, no entanto, não encontrou nenhum sinal revelador de um assentamento: nenhuma lareira, casas ou poços de lixo, e nenhuma das figuras de fertilidade de argila que cobrem locais próximos da mesma idade.

Os arqueólogos encontraram evidências de uso de ferramentas, incluindo martelos e lâminas de pedra.

E como esses artefatos se assemelham a outros de locais próximos, anteriormente datados de carbono a cerca de 9000 aC, Schmidt e colaboradores estimam que as estruturas de pedra de Gobekli Tepe têm a mesma idade. A datação limitada de carbono realizada por Schmidt no local confirma essa avaliação.

Na opinião de Schmidt, o terreno rochoso e inclinado de Gobekli Tepe é o sonho de um pedreiro. Mesmo sem cinzéis ou martelos de metal, pedreiros pré-históricos empunhando ferramentas de pederneira poderiam ter arrancado afloramentos de calcário mais macios, moldando-os em pilares no local antes de carregá-los algumas centenas de metros até o cume e levantá-los na vertical.

Schmidt diz que, assim que os anéis de pedra terminaram, os antigos construtores os cobriram de terra. Eventualmente, eles colocaram outro anel próximo ou em cima do antigo. Ao longo dos séculos, essas camadas criaram o topo da colina.

Hoje, Schmidt supervisiona uma equipe de mais de uma dúzia de arqueólogos alemães, 50 trabalhadores locais e um fluxo constante de estudantes entusiasmados.

Ele normalmente escava no local por dois meses na primavera e dois no outono. (As temperaturas no verão atingem 115 graus, quente demais para escavar; no inverno, a área é inundada pela chuva.)

Em 1995, ele comprou uma casa otomana tradicional com um pátio em Urfa, uma cidade de quase meio milhão de pessoas, para usar como base de operações.

No dia em que visito, um belga de óculos está sentado em uma das extremidades de uma mesa comprida diante de uma pilha de ossos. Joris Peters, arqueozoólogo da Universidade Ludwig Maximilian em Munique, é especialista na análise de restos de animais. Desde 1998, ele examinou mais de 100.000 fragmentos ósseos da Gobekli Tepe.

Peters freqüentemente encontrou marcas de corte e bordas lascadas nelas – sinais de que os animais de onde vieram foram massacrados e cozidos. Os ossos, armazenados em dezenas de caixas de plástico empilhadas em uma despensa na casa, são a melhor pista de como as pessoas que criaram Gobekli Tepe viviam.

Peters identificou dezenas de milhares de ossos de gazelas, que representam mais de 60% do total, além dos de outros animais selvagens, como javalis, ovelhas e veados-vermelhos.

Ele também encontrou ossos de uma dúzia de espécies diferentes de pássaros, incluindo abutres, guindastes, patos e gansos. “No primeiro ano, passamos por 15.000 pedaços de ossos de animais, todos selvagens.

Estava bem claro que estávamos lidando com um local de caçadores-coletores”, diz Peters. “Tem sido o mesmo todos os anos desde então.” Os abundantes remanescentes da caça selvagem indicam que as pessoas que moravam aqui ainda não haviam domesticado animais ou cultivado.

Mas Peters e Schmidt dizem que os construtores de Gobekli Tepe estavam à beira de uma grande mudança no modo de vida, graças a um ambiente que continha as matérias-primas para a agricultura.

“Eles tinham ovelhas selvagens, grãos selvagens que podiam ser domesticados – e as pessoas com potencial para fazê-lo”, diz Schmidt. De fato, pesquisas em outros locais da região mostraram que, dentro de 1.000 anos após a construção de Gobekli Tepe, os colonos haviam cercado ovelhas, gado e porcos.

E, em uma vila pré-histórica a apenas 32 quilômetros de distância, os geneticistas encontraram evidências das cepas de trigo domesticadas mais antigas do mundo; a datação por radiocarbono indica que a agricultura se desenvolveu lá cerca de 10.500 anos atrás, ou apenas cinco séculos após a construção de Gobekli Tepe.

Para Schmidt e outros, essas novas descobertas sugerem uma nova teoria da civilização. Os estudiosos acreditam há muito tempo que somente depois que as pessoas aprenderam a cultivar e viver em comunidades assentadas eles tiveram tempo, organização e recursos para construir templos e apoiar estruturas sociais complicadas.

Mas Schmidt argumenta que era o contrário: o extenso e coordenado esforço para construir os monólitos literalmente lançou as bases para o desenvolvimento de sociedades complexas.

A imensidão do empreendimento em Gobekli Tepe reforça essa visão. Schmidt diz que os monumentos não poderiam ter sido construídos por bandos irregulares de caçadores-coletores. Para esculpir, erigir e enterrar anéis de pilares de pedra de sete toneladas exigiria centenas de trabalhadores, todos precisando ser alimentados e alojados.

Daí o surgimento eventual de comunidades assentadas na área, cerca de 10.000 anos atrás. “Isso mostra que as mudanças socioculturais vêm primeiro, a agricultura vem depois”, diz o arqueólogo da Universidade de Stanford Ian Hodder, que escavou Catalhoyuk, um assentamento pré-histórico a 500 quilômetros de Gobekli Tepe. “Você pode argumentar que essa área é a verdadeira origem de sociedades neolíticas complexas”.

O que havia de tão importante para essas pessoas primitivas que se reuniram para construir (e enterrar) os anéis de pedra? O abismo que nos separa dos construtores de Gobekli Tepe é quase inimaginável.

Eles eram totalmente estrangeiros, colocados ali por pessoas que viam o mundo de uma maneira que nunca vamos entender. Não há fontes para explicar o que os símbolos podem significar. Schmidt concorda. “Estamos 6.000 anos antes da invenção de escrever aqui”, diz ele.

“Há mais tempo entre Gobekli Tepe e as tábuas de argila suméria [gravadas em 3300 aC] do que da Suméria até hoje”, diz Gary Rollefson, arqueólogo da Whitman College em Walla Walla, Washington, que conhece o trabalho de Schmidt. “Tentar distinguir o simbolismo do contexto pré-histórico é um exercício de futilidade”.

Ainda assim, os arqueólogos têm suas teorias – evidência, talvez, do irresistível desejo humano de explicar o inexplicável. A surpreendente falta de evidências de que as pessoas viviam ali, dizem os pesquisadores, argumenta contra seu uso como um assentamento ou mesmo um lugar onde, por exemplo, líderes de clãs se reuniram.

Hodder fica fascinado pelo fato de as esculturas em pilares de Gobekli Tepe serem dominadas não por presas comestíveis, como veados e gado, mas por criaturas ameaçadoras, como leões, aranhas, cobras e escorpiões.

“É um mundo assustador e fantástico de animais de aparência desagradável”, ele reflete. Embora as culturas posteriores estivessem mais preocupadas com a agricultura e a fertilidade, ele sugere, talvez esses caçadores estivessem tentando dominar seus medos construindo esse complexo, que fica a uma boa distância de onde moravam.

Danielle Stordeur, arqueóloga do Centro Nacional de Pesquisa Científica da França, enfatiza o significado das esculturas de abutres. Algumas culturas acreditam há muito tempo que os pássaros carniceiros transportam a carne dos mortos até os céus. Stordeur encontrou símbolos semelhantes em locais da mesma época que Gobekli Tepe, a apenas 80 quilômetros da Síria. “Você pode realmente ver que é a mesma cultura”, diz ela. “Todos os símbolos mais importantes são os mesmos.”

Por sua parte, Schmidt tem certeza de que o segredo está bem abaixo de seus pés. Ao longo dos anos, sua equipe encontrou fragmentos de ossos humanos nas camadas de terra que enchiam o complexo. Pontuações profundas de teste mostraram que os pisos dos anéis são feitos de calcário endurecido. Schmidt está apostando que, embaixo do chão, ele encontrará o verdadeiro objetivo das estruturas: um local de descanso final para uma sociedade de caçadores.

Talvez, diz Schmidt, o local fosse um cemitério ou o centro de um culto à morte, os mortos dispostos na encosta entre os deuses e espíritos estilizados da vida após a morte.

Nesse caso, a localização de Gobekli Tepe não foi acidental. “A partir daqui, os mortos estão olhando para a vista ideal”, diz Schmidt, enquanto o sol lança longas sombras sobre os pilares semi-enterrados. “Eles estão olhando para o sonho de um caçador.”

Comente!