A humanidade está pronta para a descoberta da vida alienígena?

Quando ‘Oumuamua, um misterioso objeto interestelar, varreu nosso sistema solar em outubro passado, provocou notícias ofegantes, todas fazendo a pergunta óbvia – é uma nave espacial? Não havia sinais de que era – embora muitas pessoas parecessem esperar o contrário.

Ao longo da história, os mais novos e estranhos fenômenos cósmicos nos fizeram pensar: seria esse o momento em que enfrentamos a vida alienígena pela primeira vez?


A expectativa não é necessariamente estranha – muitos cientistas podem e fazem argumentos elaborados e baseados em evidências de que eventualmente descobriremos a vida além dos limites do nosso planeta.

Para os verdadeiros crentes, o que pode ser mais incerto é se essas notícias causariam pânico global – o que depende de como nossas mentes, tão grandemente influenciadas por nosso ambiente e sociedade terrestres, perceberiam a ameaça potencial de algo totalmente fora do nosso contexto familiar.

“Existe um sentimento entre o público – uma fração muito grande do público – de que a descoberta de uma vida inteligente seria mantida em segredo pelo governo, porque, caso contrário, todo mundo ficaria louco”, diz Seth Shostak, astrônomo do Instituto SETI que não esteve envolvido no estudo.

Talvez faça sentido que nossos cérebros – sintonizados por milhões de anos de evolução sejam cautelosos com predadores – surtem com seres alienígenas imensamente poderosos que chegam à nossa porta cósmica de partes desconhecidas.

Mas digamos que a situação ainda não foi completamente “invasão alienígena” e naves estelares malévolas não estão navegando em direção à Terra, mas lemos as notícias de uma descoberta definitiva da vida extraterrestre. Como podemos reagir então?

Os psicólogos da Universidade Estadual do Arizona (ASU) usaram um software de análise de linguagem para avaliar sentimentos associados a 15 artigos sobre descobertas passadas que poderiam ter sido atribuídas a vida extraterrestre – relatórios que cobrem itens como novos planetas semelhantes à Terra, fenômenos astrofísicos misteriosos e possíveis vida encontrada em Marte.

Os artigos usaram palavras mais positivas e orientadas para a recompensa do que palavras negativas e orientadas para o risco, relatam em estudo publicado em janeiro na revista Frontiers in Psychology. Apesar de não constar no jornal, a equipe posteriormente encontrou artigos sobre ‘Oumuamua distorcidos positivos. Eles reportarão esses resultados no sábado em Austin, Texas, na reunião anual da Associação Americana para o Avanço da Ciência.

“Acho que geralmente temos uma predisposição positiva para a novidade, a menos que tenhamos fortes razões para suspeitar que isso possa nos prejudicar”, diz Michael Varnum, psicólogo da ASU Tempe e autor sênior do estudo.

“É claro que não estou dizendo que, se tivermos notícias de que há um monte de grandes navios de guerra alienígenas a caminho da Terra, estaremos felizes com isso.”

MICRÓBIOS MARCIANOS

De acordo com Varnum (e muitos astrobiólogos), porque a vida simples e unicelular é presumivelmente mais cosmicamente comum do que as civilizações que cruzam as estrelas, é muito mais provável que um dia descubramos micróbios alienígenas em vez de qualquer coisa com a qual possamos conversar.

Para o seu próximo conjunto de experimentos, ele entrevistou cerca de 500 participantes dos EUA on-line para escrever sobre como eles – e a sociedade em geral – reagiriam às notícias dessa descoberta. Depois, ele pediu a um grupo separado de cerca de 250 pessoas para ler e responder a um artigo real do New York Times de 1996 que relatava a potencial descoberta de micróbios fossilizados em um meteorito marciano.

Ele comparou esse primeiro lote de respostas com as de outro grupo de 250 pessoas que leram um New York Times de 2010artigo sobre a primeira forma de vida sintética criada em laboratório. Ele apresentou as duas histórias sem uma linha de dados como se fossem “novas” na imprensa (embora alguns participantes provavelmente tenham percebido que não).

Depois de analisar o teor emocional de suas respostas, a equipe descobriu que os participantes geralmente usavam palavras mais positivas que negativas ao descrever a vida extraterrestre e sintética.

Essa proporção de palavras positivas-negativas foi maior quando os participantes responderam à descoberta de vida extraterrestre em comparação com a criação de vida sintética, o que poderia ser uma indicação de que os dados não foram distorcidos por, digamos, uma possível tendência humana de escrever ou reagir positivamente.

Os participantes tendiam a relatar que responderiam mais positivamente do que a sociedade em geral. Varnum acha que isso pode ser devido a uma tendência psicológica chamada “superioridade ilusória”, na qual uma pessoa pensa que possui melhores qualidades que outras.

Mas Shostak observa que a metodologia do experimento pode ter direcionado os leitores a uma resposta mais positiva. Mesmo que isso não acontecesse, “não posso dizer que [a conclusão] foi uma grande surpresa para mim”, diz ele.

“Se anunciassemos amanhã que encontramos micróbios em Marte, as pessoas não começariam a se revoltar nas ruas … mas acho que ninguém pensou que iriam se revoltar nas ruas”. Se os marcianos aterrissassem no Vale do Silício, no entanto, “eu compraria muitas pizzas congeladas e iria para as colinas – quero dizer, também estaria fora daqui”, acrescenta ele.

O ALIENÍGENA AMBÍGUO

Se é uma descoberta em algum lugar entre os extremos de um micróbio extraterrestre e alienígenas hostis e hostis que sitiam a Terra, as pessoas responderão de maneira diferente com base na época ou sociedade em que vivem?

Nossos cérebros estão equipados com circuitos antigos para nos defender contra predadores. Mas, à medida que navegamos pelo mundo, a experiência também pode moldar o que passamos a aceitar ou temer e o quanto estamos abertos à novidade.

Este estudo analisou apenas as respostas dos EUA, mas dois neurocientistas acham que os resultados podem ter sido muito diferentes em todo o mundo.

“Se você olhar para sociedades que são muito menos abertas e muito mais xenófobas e assim por diante, elas podem perceber [encontrar vida extraterrestre] muito mais negativas e perturbadoras”, diz Israel Liberzon, professor de psiquiatria, psicologia e neurociência da Universidade de Michigan, que não fazia parte do estudo.

“A cultura pode ser um forte determinante de como reagimos à novidade”, diz Cornelius Gross, neurocientista do Laboratório Europeu de Biologia Molecular de Roma, que estuda o circuito neural do medo e também não participou da pesquisa.

“As pessoas vieram para os Estados Unidos porque buscavam novidades, então escolhemos [isso] e continuamos a promover a busca por novidades e colocá-lo muito no topo da nossa lista.”

Além disso, diz Shostak, as crenças religiosas de uma pessoa podem desempenhar um papel poderoso na formação de sua reação ao saber que a humanidade não é, de fato, tão universalmente especial quanto muitas tradições sustentam.

A maneira como reagimos a essa situação pode até ser influenciada por algo tão pequeno quanto os filmes de invasão extraterrestre que as pessoas viram ou os livros de ficção científica que leram.

Se você vir muitos “filmes tipo OVNI e os alienígenas sempre são ‘bons’ no final, geralmente, então você pode pensar que essas coisas afetarão o córtex pré-frontal do seu cérebro”, diz Gross. “E você ajustará suas respostas a futuras novelas [experiências].”

Mas, apesar de tudo, observa Liberzon, o contexto é fundamental. Individual ou coletivamente, os seres humanos responderão de maneira muito diferente à observação de um leão em um zoológico, ao invés de se deparar com um na savana africana, assim como faríamos ao ler sobre um alienígena em um romance de ficção científica e realmente encontrar um.

E se os cientistas descobrem algo tão fora deste mundo, literalmente, mas também no sentido de que não podemos compará-lo com qualquer coisa que sabemos, parece inútil, até bobo, fazer previsões sobre como a humanidade reagiria.

Gross acha que provavelmente tentaríamos primeiro entendê-lo, uma reação que pode ser interpretada como mais um antigo sistema de defesa esculpido evolutivamente que visa ganhar o controle de uma situação nova. Provavelmente haveria algumas respostas positivas e outras negativas, mas todas serão “baseadas na necessidade dos humanos de controlar seu ambiente e garantir que as coisas não as ameacem”, diz ele.

“Quando pensamos em que formas a vida pode ter em outro lugar, estamos realmente limitados pelo fato de sabermos apenas como a vida evoluiu para se parecer aqui”, diz Varnum. Mas “minha suspeita é, de fato, o tipo de estranho que é, as pessoas mais animadas seriam”.

Comente!