NASA pode ter descoberto e depois destruído orgânicos em Marte em 1976

Mais de 40 anos atrás, uma missão da NASA pode ter destruído acidentalmente o que teria sido a primeira descoberta de moléculas orgânicas em Marte, de acordo com um relatório da New Scientist.

Recentemente, a NASA causou uma grande comoção quando anunciou que seu rover Curiosity descobriu moléculas orgânicas – que compõem a vida como a conhecemos – em Marte.


Isso ocorreu após a primeira confirmação de moléculas orgânicas em Marte em 2014. Mas, como pequenos meteoritos ricos em carbono atacam com frequência o Planeta Vermelho, os cientistas suspeitam há décadas de que os orgânicos existem em Marte.

Mas os pesquisadores ficaram chocados em 1976, quando a NASA enviou duas sonda Viking a Marte para procurar pela primeira vez os orgânicos e não encontrou absolutamente nenhum.

Os cientistas não sabiam o que fazer com as descobertas dos Vikings – como não poderia haver compostos orgânicos em Marte?

“Foi completamente inesperado e inconsistente com o que sabíamos”, disse Chris McKay, cientista planetário do Ames Research Center da Nasa, à New Scientist.

Uma possível explicação surgiu quando a sonda Phoenix da NASA encontrou perclorato em Marte em 2008. Este é um sal usado para fazer fogos de artifício na Terra; torna-se altamente explosivo sob altas temperaturas.

E enquanto a superfície de Marte não está muito quente, o principal instrumento a bordo dos landers da Viking, o espectrômetro de massa com cromatógrafo a gás (GCMS), teve que aquecer as amostras de solo marciano para encontrar moléculas orgânicas.

E porque o perclorato está no solo, o instrumento teria queimado qualquer material orgânico nas amostras durante este processo.

A descoberta do perclorato reacendeu as convicções dos cientistas de que as sondas viking poderiam ter encontrado compostos orgânicos em Marte. “Você tem um novo insight e percebe que tudo o que achou estava errado”, disse McKay.

No entanto, encontrar o perclorato não forneceu provas concretas de que as sondas viking encontraram e acidentalmente destruíram moléculas orgânicas, de modo que a investigação continuou.

A variedade de moléculas orgânicas que Curiosity descobriu recentemente no Planeta Vermelho incluiu o clorobenzeno. Essa molécula é criada quando moléculas de carbono queimam com perclorato, então os cientistas suspeitam que ela poderia ter sido criada quando as amostras de solo foram queimadas, de acordo com a New Scientist.

Pesquisadores foram inspirados por essa evidência indireta para cavar um pouco mais e encontrar mais evidências de que as sondas viking poderiam ter encontrado e depois destruído os orgânicos.

Em um novo estudo, publicado em junho no Journal of Geophysical Research: Planets, Melissa Guzman, do centro de pesquisa LATMOS, na França, McKay e um punhado de colaboradores revisitaram os dados da sonda Viking para ver se alguma coisa estava faltando.

Essa equipe descobriu que as sondas da Viking também detectaram o clorobenzeno, que, segundo os pesquisadores, poderia ter se formado a partir da queima de material orgânico nas amostras de solo.

Ainda assim, isso não é prova de que as sondas viking encontraram moléculas orgânicas e depois as queimaram acidentalmente, disseram os pesquisadores à New Scientist. Até mesmo os cientistas que completaram esta investigação estão divididos.

Guzman disse que ela ainda não está completamente convencida de que o clorobenzeno que eles detectaram se formou quando os orgânicos em solo marciano foram queimados. Ela disse que a molécula poderia ter vindo da Terra a bordo do equipamento da NASA.

Comente!