Criptozoologia

Fadas de Cottingley ainda intrigam 100 anos depois

Em 1917, duas estudantes inglesas alegaram ter fotografado fadas em um jardim.

Uma das fraudes mais infames do século 20, a história das fadas de Cottingley veio da mais improvável das fontes – duas jovens primas, Elsie Wright e Frances Griffith, de Cottingley, Inglaterra.


A dupla, que costumava brincar perto de um riacho no fundo do jardim da mãe de Elsie, alegou que havia fadas morando lá. Para provar isso, Elsie um dia pegou emprestada a câmera do pai e as meninas passaram 30 minutos tirando fotos delas.

As fotografias, consideradas altamente convincentes na época, tornaram-se públicas em meados de 1919 e rapidamente se tornaram famosas em todo o país.

Muitos acreditavam que as fadas eram reais, incluindo o autor e espiritualista Sir Arthur Conan Doyle, que incluiu as fotos em um artigo de revista que ele havia escrito.

O mistério das fadas de Cottingley continuaria a durar mais de 60 anos até que, finalmente, em 1983, os dois primos admitiram que as fotografias haviam sido falsificadas usando ilustrações recortadas de um livro.

Ambos, no entanto, permaneceram inflexíveis em ver genuinamente fadas no fundo do jardim.

“Frances Griffiths e Elsie Wright criaram uma das maiores fraudes da história britânica”, disse Richard Sugg, da Durham University. “Está no mesmo nível do Homem de Piltdown.”

“As garotas se desafiar seus conhecidos próximos. Mas elas acabaram tentando enganar o mundo.”

Sobre o autor

Renê Fraga

é bacharel em administração de empresas e fundador da FragaNet Networks - empresa especializada em comunicação digital e mídias sociais. Em seu portfólio estão projetos como: Google Discovery, TechCult, AutoBlog e Arquivo UFO. Também foi colunista de tecnologia no TechTudo, da Globo.com.

Comente!

error: