Mistério do ‘Monstro Tully’ continua sem explicações

Uma descoberta pré-histórica peculiar deixou cientistas coçando a cabeça por mais de cinco décadas.

Conhecido como Monstro Tully após o colecionador Francis Tully descobrir seus restos mortais em 1958, este peculiar morador pré-histórico, que vivia há 307 milhões de anos em um estuário costeiro no nordeste do Illinois, permaneceu notoriamente difícil de ser classificado por mais de 50 anos.


Com um longo corpo em forma de torpedo e dois olhos fixados em cada extremidade de uma barra horizontal anexada ao seu rosto, a aparência bizarra da criatura era diferente de qualquer outra coisa conhecida pela ciência. Tinha até um longo focinho de tronco que sobressaía de sua cabeça com uma garra cheia de dentes.

Em março de 2016, os pesquisadores pensaram que finalmente resolveram o mistério ao categorizar a criatura como um tipo de lampreia, mas agora um grupo de paleobiólogos liderados por Lauren Sallan, da Universidade da Pensilvânia, se apresentaram para afirmar que o estudo anterior estava errado.

“Este animal não se encaixa na classificação porque é muito estranho”, disse Sallan. “A última coisa que o monstro Tully poderia ser é um peixe.”

De acordo com um novo relatório, as conclusões da equipe original estavam erradas porque não entenderam completamente a forma como o espécime fóssil havia sido preservado.

A criatura também não se parecia com os fósseis de lampreias descobertas na mesma área.

“É importante incorporar todas as linhas de evidência ao considerar fósseis enigmáticos”, disse o co-autor do estudo, Sam Giles. “Aplicar esse padrão ao Monstro de Tully argumenta fortemente contra a identidade dos vertebrados.”

Fóssil do Monstro Tully (Tullimonstrum gregarium), 4 de Setembro de 1984. (Getty Images)

Comente!