OVNIs sobrevoaram o Estádio da Fiorentina em 1954

Sessenta anos atrás, uma partida de futebol parou quando objetos voadores não identificados foram vistos acima de um estádio em Florença. Alienígenas vieram para a Terra? Se não, o que aconteceu?

Era 27 de outubro de 1954, um dia tipicamente fresco de outono na Toscana. O poderoso clube da Fiorentina estava jogando contra seu rival local, o Pistoiese.

Dez mil torcedores estavam assistindo na tigela de concreto do Stadio Artemi Franchi. Mas logo após o intervalo o estádio ficou assustadoramente silencioso – então um rugido veio da multidão. Os espectadores não estavam mais assistindo ao jogo, mas estavam olhando para o céu, com os dedos apontando. Os jogadores pararam de jogar, a bola rolou até parar.

Um dos jogadores em campo foi Ardico Magnini – ele era uma espécie de lenda no clube e jogou pela Itália na Copa do Mundo de 1954.

“Lembro-me de tudo de A a Z”, diz. “Era algo que parecia um ovo que estava se movendo devagar, devagar, devagar. Todo mundo estava olhando para cima e também havia um pouco de glitter descendo do céu, glitter prata.

“Ficamos surpresos por nunca termos visto nada parecido antes. Ficamos absolutamente chocados.”

O jogo foi suspenso porque os espectadores viram algo no céu, de acordo com o relatório da partida do árbitro.

Entre a multidão estava Gigi Boni, um torcedor de longa data da Fiorentina. “Lembro-me claramente de ter visto esta visão incrível”, diz ele. Sua descrição de vários objetos difere ligeiramente da de Magnini.

“Eles estavam se movendo muito rápido e então pararam. Tudo durou alguns minutos. Eu gostaria de descrevê-los como charutos cubanos. Eles apenas me lembravam charutos cubanos, pelo jeito que eles pareciam.”

Boni passou muitos anos revivendo aquele dia em sua mente. “Eu acho que eles eram extraterrestres. É nisso que eu acredito, e não há outra explicação que eu possa dar a mim mesmo.”

Outro dos jogadores, Romolo Tuci, ainda na casa dos 70 anos, concorda. “Naqueles anos, todos falavam sobre alienígenas, todos falavam sobre OVNIs e tivemos a experiência, os vimos, os vimos diretamente, de verdade”.

O incidente no estádio não pode ser simplesmente interpretado como histeria em massa – houve vários avistamentos de OVNIs em muitas cidades da Toscana naquele dia e nos dias que se seguiram. De acordo com alguns relatos de testemunhas oculares, um raio de luz branca foi visto no céu vindo de Prato, ao norte de Florença.

Outro homem que aprecia a chance de falar sobre aquele dia é Roberto Pinotti, presidente do Centro Nacional de OVNIs da Itália . Ele escreveu muitos livros sobre OVNIs e sua casa no centro de Florença está repleta de objetos alienígenas, pôsteres de filmes B italianos antigos, artigos de jornal emoldurados e fotografias em preto e branco de discos voadores borrados.

“Os jogadores e o público ficaram surpresos ao ver esses objetos acima do estádio”, diz Pinotti.

“Na época os jornais falavam de alienígenas de Marte. Claro que agora sabemos que não é assim – mas podemos concluir que era um fenômeno inteligente, um fenômeno tecnológico e um fenômeno que não pode ser relacionado com nada que conhecemos na Terra. “

Ele também está intrigado com o material que caiu do céu – o que Magnini descreve como glitter prateado.

“É fato que ao mesmo tempo em que os OVNIs foram vistos sobre Florença havia uma substância estranha e pegajosa caindo de cima. Em inglês chamamos isso de ‘cabelo de anjo'”, diz Pinotti.

“O único problema é que depois de um curto período de tempo ele se desintegra.” Aos 10 anos de idade, ele mesmo testemunhou esse fenômeno. “Lembro-me, em plena luz do dia, de ver os telhados das casas em Florença cobertos dessa substância branca por uma hora e, como a neve, ela simplesmente evaporou.

“Ninguém sabe o que essa estranha substância tem a ver com OVNIs.”

Variadamente descrita por testemunhas como semelhante a algodão ou teias de aranha, a substância era difícil de coletar porque se desintegrava ao contato – mas algumas pessoas estavam determinadas a descobrir o que era.

Um deles era jornalista do jornal florentino La Nazione, o falecido Giorgio Batini. Em 2003, ele contou a um programa de televisão italiano, Voyager, como naquele dia recebeu centenas de telefonemas sobre os avistamentos. Dos escritórios de La Nazione, no centro da cidade, sua própria visão do céu estava bloqueada pela Catedral, então ele subiu ao topo do prédio do jornal para ver do que todos estavam falando. O homem de 81 anos lembrou ter visto “bolas brilhantes” se movendo rapidamente em direção à cúpula da Catedral.

Batini aventurou-se a investigar. Ele se deparou com um bosque fora da cidade que estava coberto de penugem branca. Ele reuniu várias amostras enrolando-as em um palito de fósforo e as levou para o Instituto de Análise Química da Universidade de Florença. Quando chegou lá, descobriu que outros haviam feito o mesmo.

O laboratório, liderado pelo respeitado cientista Prof Giovanni Canneri, submeteu o material à análise espectrográfica e concluiu que continha os elementos boro, silício, cálcio e magnésio, e que não era radioativo. Infelizmente, isso não forneceu respostas conclusivas – e o material foi destruído no processo.

Poderia ter vindo de um OVNI? “É uma ideia absolutamente tola. A ciência rejeita totalmente essa ideia”, diz James McGaha, piloto e astrônomo da Força Aérea dos EUA. Do Observatório de Grasslands, no sudeste do Arizona, ele passou mais de 40.000 horas olhando para o céu noturno. Sem mencionar as horas adicionais que ele passou no cockpit de caças americanos.

“Você sabe que todo o fenômeno OVNI não é nada além de mito, magia e superstição, envolto nessa ideia de que de alguma forma os alienígenas estão vindo aqui para nos salvar ou nos destruir”, diz ele.

Na visão de McGaha, todo o espetáculo, “cabelo de anjo” e tudo, não passava de aranhas migratórias.

“Quando olhei para este caso originalmente, pensei que talvez fosse uma bola de fogo, um meteoro muito brilhante quebrando na atmosfera. Eles podem ser em forma de charuto com pedaços quebrando. Mas ficou bastante aparente que isso foi realmente causado por aranhas jovens. teias giratórias, teias muito, muito finas.

“As aranhas usam essas teias como velas e se conectam e você obtém uma grande quantidade dessas coisas no céu e as aranhas montam nela para se mover entre os locais. Elas apenas voam no vento e essas coisas foram registradas a 14.000 pés acima do solo. Então, quando a luz do sol brilha, você obtém todos os tipos de efeitos visuais.

“Como algumas dessas coisas se quebram e caem no chão, tudo isso parece mágico, é claro”, diz McGaha. “Mas estou bastante confiante de que foi o que aconteceu naquele dia.”

Esta teoria é apoiada pelo fato de que setembro e outubro são os meses em que as aranhas no hemisfério norte migram – e migrações espetaculares de aranhas ainda são manchetes hoje. Mas não convenceu a todos.

“É claro que eu sei sobre a hipótese das aranhas migratórias – é pura bobagem. É uma história antiga e também uma história estúpida”, diz Pinotti.

Ele contesta a teoria da aranha por causa da análise química das amostras de “cabelo de anjo”. A seda da aranha é uma proteína – um composto orgânico contendo nitrogênio, cálcio, hidrogênio e oxigênio – e não os elementos encontrados nas amostras que Batini e outros trouxeram para a universidade.

Sessenta anos depois, as chances de determinar a causa do incidente são pequenas. “Eu não confiaria em nenhum relato de um evento antigo e estranho como este, a menos que tivesse visto os dados”, diz o escritor de ciências Philip Ball. Ele concorda que os elementos que dizem ter sido observados no “cabelo de anjo” não parecem concordar com a teoria da aranha.

“Magnésio e cálcio são elementos bastante comuns em corpos vivos, boro e silício muito menos – mas se esses fossem os principais elementos que a penugem branca continha, não me parece que eles vieram de aranhas”, ele disse. diz.

Então tudo continua sendo um mistério. Não importa o que os cientistas digam, aqueles que estavam lá estão convencidos de que o que viram era diferente de tudo na Terra.

Romolo Tuci se sente sortudo por ter estado lá. Seus olhos dançam excitados enquanto ele se lembra daquele dia curioso. “Eu estava enfeitiçado e também estava tão, tão feliz.”

Os céticos sugerem que a intoxicação e a histeria em massa amplificaram o que era um fenômeno natural e o transformaram em algo aparentemente de outro mundo. Eles atribuíram o evento às aranhas migratórias voando em massa pelo ar. 

Durante sua viagem aérea, eles dispersaram teias muito finas, representando o material tênue testemunhado. No entanto, as milhares de testemunhas no estádio naquele dia estavam longe de estar convencidas por essa explicação.

Comente!