Monte Shasta: conexão com civilização perdida Lemuriana?

Elevando-se imponentes 14.000 pés acima do nível do mar na Cordilheira Cascade, no norte da Califórnia, está o Monte Shasta. Este vulcão adormecido tem sido fonte de mistério e intriga por milhares de anos. As tribos nativas americanas da região, incluindo os Shasta e os Wintu, consideravam o majestoso pico sagrado e abrigava espíritos sobrenaturais. Pelo menos no último século, lendas modernas associaram esse marco a avistamentos incríveis, atividade de OVNIs e, mais intrigante, à civilização perdida da Lemúria.

De acordo com extensas lendas, a Lemúria, às vezes referida como o continente de Mu, era uma antiga civilização avançada localizada no Oceano Pacífico que existia dezenas de milhares de anos atrás. Muito parecido com a lenda da Atlântida, que por outro lado estava situada no Oceano Atlântico, a Lemúria foi catastroficamente destruída e afundou. Dizem que os sobreviventes chegaram ao norte da Califórnia, refugiando-se nas cavernas de lava do Monte Shasta, onde seus descendentes sobrenaturais permanecem escondidos até hoje.

Embora a ideia possa parecer absurda, muitos pesquisadores de mistérios mundiais estão convencidos de que as alegações são muito difundidas e numerosas para serem completamente descartadas.

HIPÓTESE DO CONTINENTE PERDIDO

Em 1864, o zoólogo Philip Sclater estava estudando populações de lêmures quando notou que esses primatas eram encontrados principalmente na ilha de Madagascar. Populações menores foram encontradas a 3.000 milhas através do mar no subcontinente indiano e em algumas das ilhas entre eles. Mas, curiosamente, em nenhum outro lugar. Em um artigo publicado no The Quarterly Journal of Science intitulado “Os mamíferos de Madagascar”, ele propôs que as massas de terra estavam conectadas no passado distante por um continente afundado. Ele deu a esse continente teórico o nome de Lemúria, em homenagem aos mamíferos que estudava.

Em 1887, o biólogo alemão Ernst Heinrich Haeckel expandiu a teoria de Sclater. Ele propôs que este continente submerso era a pátria dos primeiros humanos.

Curiosamente, em todas as ilhas do Pacífico – da Nova Zelândia às ilhas da Polinésia e até mesmo ao Havaí, há histórias ancestrais de uma civilização avançada que antecedeu o homem moderno. De acordo com relatos transmitidos pelos anciões havaianos, suas ilhas eram inicialmente parte da Terra de Mu. Foi descrito como um grande continente no Oceano Pacífico que sofreu um terrível cataclismo e afundou no mar.

INSIGHT ESOTÉRICO

Em 1888, a mística e filósofa Madame Blavatsky escreveu uma série de livros em seis volumes, A Doutrina Secreta. Entre as ideias apresentadas estava uma detalhando cinco raças-raiz que existiram na Terra em algum momento da história do planeta. Isso incluiu os lemurianos, que ela observou como a raça de terceira raiz, sucedidos pelos atlantes, seguidos pela raça ariana de quinta raiz, da qual os humanos modernos descendem. De acordo com Blavatsky, os Lemurianos eram uma raça subterrânea espiritualmente avançada. Eles existiam originalmente em um continente no Pacífico que havia afundado no passado remoto.

Parecendo corroborar a escrita de Blavatsky, um jovem autor, Frederick Spencer Oliver, escreveu um manuscrito detalhando uma avançada civilização perdida. Ele alegou tê-lo escrito via escrita automática, canalizando um ser de outro mundo, Phylos, o tibetano. A Dweller on Two Planets foi concluído em 1886 antes que o trabalho de Blavatsky fosse tornado público. No entanto, não foi publicado até 1905, então era improvável que os autores fossem influenciados pelo material um do outro. O livro descrevia uma cidade cristalina escondida dentro do Monte Shasta, povoada por uma irmandade mística subterrânea cujas origens na Terra antecedem o homem moderno.

Mais tarde, na década de 1920, o inventor e escritor prolífico Coronel James Churchward escreveu uma série de livros descrevendo os Escritos Inspirados Sagrados do Reino Perdido de Mu. Ele alegou que a informação contida na série – em particular O Continente Perdido de Mu, a Pátria dos Homens – foi baseada na tradução de dois conjuntos de antigas tabuinhas esotéricas. Um foi escrito em uma língua perdida naacal dos Naga que ele decifrou enquanto estudava com um guru na Índia. A outra é baseada na tradução de centenas de tabuinhas descobertas no noroeste da Cidade do México pelo mineralogista William Niven em 1921.

Uma década depois, em 1931, o pesquisador Rosacruz Harvey Spencer Lewis (trabalhando sob o pseudônimo Wishar S. Serve) compilou informações sobre o continente perdido que ele encontrou em uma série de manuscritos tibetanos e publicou sob o título Lumeria: The Lost Continent of the Pacífico. A obra continha um capítulo intitulado Present-Day Mystic Lumerians in California. Este trabalho é frequentemente citado pelas lendas difundidas de Lemurianos que vivem dentro do Monte Shasta.

AS CONTAS DAS TESTEMUNHAS

De acordo com os historiadores do Monte Shasta, em 1904, o explorador britânico JC Brown afirmou ter viajado onze milhas até o núcleo do Monte Shasta. Ele encontrou cavernas contendo ouro, artefatos e múmias gigantes ritualisticamente colocadas em ângulos com as paredes. Por décadas, ele manteve sua descoberta em segredo, mas eventualmente, na década de 1930, ele montou um grupo exploratório composto por 80 homens com equipamentos para explorar ainda mais os túneis e câmaras. Na manhã da expedição, Brown não apareceu para o encontro matinal, o plano desmoronou e ele nunca mais foi ouvido.

Em seu livro Unveiled Mysteries, de 1934, o engenheiro de minas Guy Ballard conta sua própria história incrível de uma interação com um mestre ascenso no Monte Shasta. Este radiante ser vestido de branco se apresenta como o Conde de Saint Germain. Esse personagem de outro mundo o levou a uma porta secreta para a montanha, onde ele teria sido levado por um extenso poço na própria montanha. Lá foi contada a Ballard uma história fantástica de mestres ascensos que ocuparam o vulcão. A partir dessas revelações, Ballard e sua esposa desenvolveram o movimento filosófico I AM. O movimento tem um centro na área do Monte Shasta, atraindo canalizadores e outros buscadores espirituais para a área.

Os relatos de seres estranhos associados ao Monte Shasta continuam a ser contados hoje. Houve várias anedotas pessoais de caminhantes que afirmam ter testemunhado figuras enigmáticas semelhantes a humanos vestidas com túnicas surgindo do nada. Outros visitantes do local afirmaram ter conhecido Phylos, o tibetano (o ser que inspirou as obras de Frederick Spencer Oliver), que os convidou para a montanha.

Esses relatos infundados podem ser apenas contos fantasiosos? Ou poderia realmente haver algo em todo o mito elaborado?

UMA NOVA PISTA?

Em 2013, um grupo de geólogos encontrou restos de um mineral de 3 milhões de anos na ilha de Maurício. A descoberta antecedeu a linha do tempo geológica dada para a formação da ilha. Curiosamente, com base nessas evidências, os cientistas teorizaram que um continente perdido deve ter existido na área e afundado no oceano há milhões de anos. Localizada no Oceano Índico, a cerca de 1.200 milhas da costa sudeste da África, Maurício fica na mesma região onde alguns acreditam que a Lemúria já esteve. Apesar das lendas bem conhecidas de Mu e Lemuria, os pesquisadores nomearam esse continente perdido recém-descoberto de Mauritia. Embora isso não necessariamente prove a existência de uma civilização pré-humana avançada, sugere que existem muitos mistérios sobre a história do planeta que ainda permanecem.

Hoje, o Monte Shasta continua sendo um local de destino popular. Alguns vêm por sua beleza natural e caminhadas cênicas. Para outros, no entanto, há uma atração irresistível, uma curiosidade insaciável por descobrir para aprofundar a possível ligação da montanha com um passado ainda inexplicável. Talvez eles possam algum dia encontrar evidências irrefutáveis ??de que a tradição ancestral, mitologia e antigos relatos escritos citados por autores contemporâneos são factualmente precisos.

Ou, talvez, como a porta escondida que supostamente existe no Monte Shasta, a verdade dessa civilização perdida pode continuar a ser um mistério indescritível.

Comente!