Missões a Marte: a exploração do Planeta Vermelho

O quarto planeta a partir do Sol há muito fascina os humanos aqui na Terra. Um objeto distante e ardente que os antigos astrônomos egípcios c. 2000 aC chamado Har Decher, ou o “Red One”, e que os romanos chamavam de Marte, depois de seu deus da guerra. Durante séculos, nos perguntamos se poderia haver vida em Marte (o termo “marciano” entrou no léxico na década de 1870), e tem sido assunto de inúmeras histórias de ficção científica, livros, filmes e programas de TV. Portanto, não é surpresa que, uma vez que as viagens espaciais se tornaram possíveis, Marte se tornou um ponto focal para a exploração científica. Aqui está uma olhada em alguns dos principais marcos em nossa busca para entender o Planeta Vermelho – e o que eles revelaram.

1960: O contato é feito

À medida que a Guerra Fria entre os Estados Unidos e a URSS esquentava, o espaço se tornou um de seus campos de batalha mais disputados. Assim como os soviéticos foram os primeiros a lançar um satélite artificial (Sputnik I) no espaço, eles foram os primeiros a tentar enviar uma sonda a Marte. Mas suas duas primeiras tentativas, lançadas em 1960, foram falhas, com as sondas nem chegando à órbita da Terra. Quatro anos depois, a sonda Zond 2 chegou perto de Marte, mas não conseguiu fazer observações visuais.

Os EUA conquistaram a primeira vitória na corrida para Marte com sua segunda sonda, em 15 de julho de 1965, quando a Mariner 4 passou a 6.000 milhas de Marte. Ele enviou de volta 21 fotos em preto e branco do planeta (que levaram quatro dias para serem transmitidas de volta à Terra), mostrando uma grande cratera na superfície de Marte e uma atmosfera feita de dióxido de carbono fino. Quatro anos depois, mais duas sondas americanas, Mariners 6 e 7, chegaram com apenas cinco dias de diferença uma da outra. Suas 200 fotos e dados combinados ajudaram os cientistas a confirmar a forma, o raio e a massa de Marte.

1971: Uma órbita histórica e o primeiro pouso em Marte

Em novembro de 1971, os EUA se tornaram o primeiro país a colocar um satélite em órbita em torno de um planeta diferente da Terra com o Mariner 9. Ele reuniu dados por mais de um ano, usando instrumentos infravermelhos e ultravioletas para mapear a superfície do planeta, revelando enormes vulcões, uma grande sistema de desfiladeiros e até antigos leitos de rios no que a maioria supunha ser um planeta seco. A Mariner 9 também tirou as primeiras fotos próximas de Deminos e Phobos, luas de Marte, e no final de sua missão havia transmitido mais de 7.000 fotos e mapeado 80% da superfície do planeta.

Apenas algumas semanas após a chegada do Mariner 9, a URSS obteve uma vitória quando seu Mars 3 se tornou o primeiro a pousar na superfície. Mas o módulo de aterrissagem transmitiu dados por apenas 20 segundos antes que uma falha do sistema o fizesse desligar.

1976: América comemora seu bicentenário com dois pousos em Marte

Em julho de 1976, o módulo de pouso da Viking I pousou em Marte, seguido por seu gêmeo idêntico, o Viking 2, em setembro, que pousou no lado oposto do planeta. As duas sondas e seus orbitadores eventualmente transmitiram mais de 50.000 fotos da superfície e atmosfera de Marte. O módulo de pouso da Viking 1 permaneceu em operação por seis anos impressionantes, superando em muito as expectativas da NASA. Entre os dados coletados pelas duas sondas estavam amostras geológicas que mostraram uma variedade de rochas diferentes (incluindo algumas com prováveis ??origens não marcianas) e testes em material orgânico no Planeta Vermelho – mas os cientistas permaneceram divididos sobre como responder à pergunta: “já houve vida em Marte?” A Viking 1 também foi a primeira a transmitir fotos do que parece ser uma pilha de rochas em forma de rosto. Enquanto a NASA afirma que é apenas um truque de sombras e luz,

1997: Mars Pathfinder faz história

Após mais de uma década em que a atenção da NASA estava amplamente focada no programa de ônibus espaciais, a exploração de Marte recebeu dois impulsos no final do século 20. Em 1996, a NASA lançou o Mars Global Surveyor, que permaneceria em operação por 10 anos, enviando de volta as fotos de maior resolução do planeta até hoje, de sua órbita alta. MGS detectou evidências de água antiga em Marte

Mas a perda de um projeto anterior transformaria a forma como a NASA abordou as futuras missões marcianas. Em 1993, o orbitador Mars Observer falhou misteriosamente e todo o contato foi perdido três dias antes de chegar a Marte. Com um custo de mais de US$ 800 milhões (quatro vezes seu orçamento original), o fracasso do Observer convenceu a NASA a adotar o que chamou de “Programa Mais Rápido, Melhor e Mais Barato”, projetado para aproveitar as novas tecnologias. Apenas alguns anos depois, sua aposta valeu a pena com seu maior sucesso até o momento. Em 4 de julho de 1997, o Pathfinder se tornou o primeiro pouso bem-sucedido em Marte em 20 anos. Seu rover robótico de 22 libras, Sojourner, tornou-se a primeira nave humana a viajar pela superfície de Marte e transmitiu dados e fotos de volta à Terra por quatro meses.

2004: Spirit e Opportunity confirmam que a vida microbiana poderia ter existido em Marte.

Esses rovers gêmeos foram alguns dos maiores cavalos de batalha da NASA, com o Opportunity permanecendo em operação por quase 15 anos. Graças aos seus testes, a NASA confirmou que a água líquida já havia fluído pela superfície de Marte e encontrou evidências de que o ambiente do planeta teria sido hospitaleiro para a vida. Em uma conferência na Holanda na primavera de 2005, 75% dos cientistas entrevistados disseram acreditar que a vida já existiu em Marte – e 25% disseram que achavam que a vida ainda existia. Graças à decisão da NASA de liberar fotos dos rovers à medida que eram transmitidos para a Terra, os espectadores ansiosos puderam assistir seus movimentos quase em tempo real.

2012: Curiosity marca um grande salto na tecnologia da NASA.

Em 2.000 libras. e medindo quase 10 pés por 9 pés, o rover Curiosity pode viajar mais de 600 milhas por dia através da superfície de Marte. Seu braço de 7 pés pode extrair amostras que o rover então “cozinha”, analisando os gases liberados em busca de evidências de materiais orgânicos. Em uma de suas primeiras amostras coletadas, o Curiosity encontrou restos químicos de metano, enxofre, nitrogênio, hidrogênio, oxigênio, carbono e outros, muitas vezes conhecidos como os “blocos de construção da vida”. A NASA também anunciou que a argila encontrada na amostra aponta para a existência de um lago próximo há muito desaparecido com água que seria potável para humanos! Em 2015, a NASA anunciou que a água potencialmente vital ainda estava fluindo em Marte periodicamente, mas eles ainda precisam determinar sua fonte.

2020: Três novas missões a Marte sobem aos céus

O verão de 2020 foi agitado para os cientistas interplanetários! Ao longo de duas semanas em julho, três missões a Marte foram lançadas, chegando ao seu destino em fevereiro de 2021. A Missão Emirates Mars, com seu orbitador apelidado de “Hope”, marca a primeira missão interplanetária do mundo árabe. Seu objetivo é estudar ainda mais a atmosfera, o clima e o clima de Marte para fornecer informações sobre por que o planeta outrora quente e úmido se transformou em um Marte frio e desértico.

Tianwen-1 (ou “questionando os céus”, em chinês) é a primeira missão a Marte totalmente desenvolvida pela China. É um projeto ambicioso, contendo um orbitador e um lander/rover, em vez de apenas um. Quando a sonda pousou na primavera/verão de 2021, a China se tornou o primeiro país além dos Estados Unidos a operar uma espaçonave em Marte e apenas o terceiro país a pousar com sucesso em Marte. A partir de sua base no local Utopia Planitia, as ferramentas científicas do rover permitirão estudar a atmosfera da superfície do planeta e coletar dados sobre a composição das rochas de Marte.

A mais recente missão a Marte da América marcou uma nova estreia no Planeta Vermelho. Pegando uma carona a bordo do rover Perseverance estava um helicóptero de 4 libras, Ingenuity. Em abril de 2021, a Ingenuity iniciou o primeiro de seus voos motorizados de Wright Brothers Field, uma seção da superfície marciana com o nome dos lendários aviadores (há também um pedaço de tecido do Wright Flyer 1 original de 1903 que fez o histórico primeiro voo motorizado em Além de se tornar o primeiro objeto capaz de decolar, pousar e voar em Marte, o Ingenuity atuará como uma espécie de batedor, localizando novos locais de interesse para Perseverança e futuras missões a serem exploradas.

Enquanto isso, Perseverance já está cumprindo sua missão principal – procurar provas de uma vida antiga em Marte. Ao estudar a cratera Jezero, com 28 milhas de largura, outrora um lago cheio de água de um delta próximo, os cientistas esperam finalmente desvendar os segredos do passado distante de Marte. Se ele apoiou a vida uma vez, poderia fazê-lo novamente?

Comente!