Mandala: Além do Design Harmônico

A maioria das pessoas reconhece os desenhos coloridos das mandalas como ferramentas para ajudar a focar a mente dos praticantes de ioga e meditação. Nós o encontramos incorporado em joias, roupas, artigos para o lar e até mesmo livros de colorir de atenção plena. Mas poderia haver algo mais profundo nesses designs padronizados além de sua harmonia estética?

Continue lendo para saber mais sobre esse código harmônico pré-histórico.

MANDALA: ALÉM DO DESIGN HARMÔNICO

A própria palavra mandala é uma antiga palavra sânscrita. Na antiga língua indiana, traduz-se vagamente em círculo ou centro. Apesar dos padrões e elementos variados no design, o nome é adequado – a forma básica irradia de um ponto central. A partir deste centro, todos os outros elementos de design se expandem para fora com perfeita simetria.

As obras de arte espirituais hindus e budistas apresentam com destaque esse tipo de design. No entanto, muitas vezes é possível encontrá-lo em outras culturas em todo o mundo, desde os caçadores de sonhos dos nativos americanos até o design do calendário asteca antigo, até os tetos e vitrais das catedrais cristãs. No sentido mais abrangente, uma mandala representa uma consciência cósmica do funcionamento interno do Universo.

Historiadores ocidentais atribuem as primeiras obras de arte de mandala aos monges budistas do século I dC. No entanto, os estudiosos sugerem que os desenhos sagrados foram introduzidos na Índia pré-histórica durante o período védico. O Rig Veda, o texto sânscrito védico mais antigo, provavelmente data de entre 1700 e 1000 aC. São 10 livros, ou mandalas, que incluem mais de 1.000 poemas e hinos. As ilustrações geométricas de mandalas que acompanham o texto servem como auxílios visuais (essencialmente traduzindo som em padrões visuais) para os mantras que os hindus acreditam representar o som das verdades universais, interpretadas por esses antigos filósofos.

Em caso afirmativo, a arte geométrica de uma mandala poderia conter essa mesma informação?

O SOM DA CRIAÇÃO CÓSMICA

De acordo com uma citação atribuída ao filósofo grego Pitágoras do século V d.C., “Há geometria no zumbido das cordas”. A teoria de que se pode visualizar o som ganhou força com o cientista italiano do século XVII Galileo Galilei. Ele raspou involuntariamente uma placa de latão em que estava trabalhando e produziu um som de assobio. Em resposta ao tom, ele notou a curiosa formação das partículas oscilantes na placa se alinhando em um padrão distinto.

Em 1787, o físico e músico alemão Ernst Chladni extrapolou o trabalho de Galileu e outros e criou um instrumento para demonstrar a manifestação física do som. Suas “Placas Chladni” consistiam em uma placa de aço apoiada em um único ponto no centro. Quando ele polvilhava o topo com um pó fino e batia na lateral com um arco de violino, as vibrações na placa espalhavam as partículas, formando padrões claros. Esses padrões geométricos distintos muitas vezes emanavam de um único ponto no centro da placa – produzindo um efeito curioso que lembra uma mandala.

Mais tarde, os cientistas basearam-se no trabalho de Chladni e, no final da década de 1960, o médico e cientista suíço Hans Jenny cunhou o termo “cimática” para descrever o estudo das ondas sonoras tornadas visíveis. Ele experimentou vários instrumentos e meios, criando centenas de impressões visuais únicas de vibrações sonoras, que poderiam ser replicadas. Ele inventou o tonoscópio, uma atualização eletromagnética das placas Chladni.

Os dados cimáticos de Jenny forneceram informações sobre padrões associados a sons puros, dissonâncias e harmônicos complexos. Ele descobriu que os sons harmônicos incorporavam os princípios geométricos encontrados em toda a natureza e no cosmos – conhecidos como geometria sagrada. Curiosamente, essas vibrações ordenavam as partículas em intrincados padrões simétricos que lembravam a arte da mandala.

À medida que a tecnologia moderna avança, o campo da cimática entrou no reino das interpretações 3D de som e frequência. As imagens do CymaScope não são apenas visualmente mais intrigantes, mas oferecem aplicações potenciais em novas fronteiras da ciência do som – incluindo biologia, oceanografia e astrofísica.

A CIÊNCIA DE VER O SOM

Em muitas tradições antigas, acredita-se que a criação do Universo, da Terra e/ou da humanidade tenha se originado de uma palavra ou som falado. Na antiga fé hindu, foi o som primordial “OM” que soou e criou o Universo. Os antigos egípcios se referiam a essa mesma força criativa como a palavra de seus deuses. Os australianos indígenas referem-se à criação do Universo como o início do Dreamtime ou “song-time”.

Em 2005, cosmólogos da Universidade do Arizona anunciaram que encontraram evidências sugerindo que nosso Universo primitivo tocava com o som de sinos cósmicos. Eles imaginaram um modelo onde as ondas sonoras enchiam as extensões escuras primordiais com ondulações, semelhantes às encontradas na água parada quando você joga uma pedra. Eles acreditam que essas frentes de onda ajudaram a formar e organizar novas galáxias.

É possível que o antigo hindu tenha entendido isso? E os padrões e formas geométricas contidas na mandala seriam a representação visual dos sons que organizaram nosso Universo?

Curiosamente, entre o vasto catálogo de sons que Hans Jenny testou em seu tonoscópio estava a visualização do mantra védico “Om”. Na superfície de sua placa, as partículas oscilaram no lugar, formando um círculo cheio de quadrados e triângulos concêntricos. O design combinava com uma mandala hindu reverenciada, conhecida como Sri Yantra. Esta mandala serve como um símbolo do grande princípio feminino divino e a fonte de toda energia, poder e criatividade.

Se pesquisadores e cientistas desvendarem os segredos do antigo código harmônico e os mistérios da geometria sagrada como mandalas, o que isso pode revelar sobre o Universo – e a possível inteligência cósmica por trás dele.

Comente!