4 fenômenos misteriosos que a ciência não pode explicar

Desde tempos imemoriais, os humanos têm buscado ativamente respostas para o mundo natural ao nosso redor. Como resultado, atingimos níveis outrora inimagináveis ??de compreensão científica. Apenas nas últimas décadas, a ciência moderna avançou ao ponto em que sequenciamos todo o genoma humano – e o editamos com sucesso. Os pesquisadores capturaram vislumbres de galáxias a mais de 13,4 bilhões de anos-luz da Terra, recriaram as condições que existiam na época do Big Bang e até descobriram segredos de membros há muito perdidos da árvore genealógica humana.

Parece que a ciência tem uma explicação sólida para tudo. No entanto, com todo o conhecimento que a humanidade adquiriu e até onde chegamos na compreensão do mundo ao nosso redor, continuam a existir estranhos fenômenos naturais para os quais simplesmente não temos respostas adequadas. A seguir está uma olhada em alguns mistérios intrigantes que permanecem em grande parte inexplicados até hoje.

Luzes fantasmas de Marfa

Nas planícies altas do deserto de Chihuahuan, a apenas 60 milhas da fronteira com o México, fica a pequena cidade de Marfa, no Texas. Dezenas de milhares de turistas visitam a área todos os anos na esperança de vislumbrar as luzes fantasmas que definem a aldeia do oeste do Texas. As misteriosas esferas de luz do tamanho de uma bola de basquete variam em cor, de branco a azul a vermelho-alaranjado. Eles supostamente disparam à distância antes de desaparecer e até foram testemunhados se dividindo em esferas menores. O primeiro relato escrito do fenômeno remonta a um criador de gado chamado Robert Reed Ellison. Em 26 de março de 1883, ele testemunhou as estranhas luzes enquanto cuidava de seu gado. De acordo com um museu local, lendas nativas americanas na área atribuem as luzes ao espírito de um chefe Apache perdido procurando por sua tribo.

Avistamentos regulares das luzes fantasmas de Marfa continuam até hoje e atraíram a atenção de vários cientistas e pesquisadores ao longo dos anos. Eles associaram os orbes brilhantes a vários fenômenos, incluindo a distorção dos faróis dos carros, possíveis minerais fosforescentes, eletricidade estática ou a combustão de gases da matéria orgânica em decomposição, também conhecido como gás do pântano. No entanto, nenhuma dessas teorias resistiu ao escrutínio ou explicou a longevidade das alegações.

Bolas de fogo brilhantes semelhantes foram documentadas em todo o mundo por centenas de anos. Na Europa, essas luzes fantasmas estão associadas aos espíritos dos mortos. No interior australiano, eles são conhecidos como Min-Min e representam a visitação de anciãos do passado. Na tradição celta, eles são conhecidos como luzes de fadas e acredita-se que incorporem seres de outras dimensões.

Curiosamente, durante a Segunda Guerra Mundial, pilotos de caça relataram aparições de luz semelhantes a orbes que voaram ao lado de suas naves ou aceleraram à frente delas, abrindo a possibilidade de que possa haver alguma inteligência por trás desses objetos voadores não identificados. E em meados da década de 1960, uma dessas esferas brilhantes realmente entrou no interior de um avião de carga militar durante o vôo. Os tripulantes observaram o objeto inexplicável fazendo uma série de manobras aparentemente orquestradas sobre a nave por vários minutos. Ninguém foi capaz de explicar exatamente como o orbe brilhante poderia viajar para a cabine de um avião e que tipo de fonte de energia permitiria que durasse mais do que alguns segundos.

A explicação científica mais recente para muitas “luzes fantasmas” modernas é que elas são uma forma estranha de relâmpago, conhecida como relâmpago de bola. No entanto, os detalhes desse fenômeno permanecem misteriosos e ainda não satisfizeram os cientistas.

Taos Hum

Na primavera de 1991, moradores de Taos, no Novo México, começaram a relatar um zumbido constante e baixo na área. Centenas de cidadãos alegaram ter ouvido o barulho, incluindo o representante do Congresso e futuro governador, Bill Richardson.

Richardson e o colega congressista Steve Schiff tiveram o assunto formalmente investigado. Eles recrutaram pesquisadores de várias organizações, incluindo a Universidade do Novo México, Sandia Labs, Los Alamos Laboratories e o Phillips Laboratory da Força Aérea dos EUA, para investigar o fenômeno. As equipes examinaram todas as fontes possíveis para o zumbido, incluindo campos eletromagnéticos de linhas de energia, sinais celulares e outras fontes emissoras de eletrônicos. Eles analisaram possíveis fontes industriais, bem como a atividade geológica subterrânea, e até perguntaram à inteligência do governo sobre possíveis programas militares secretos.

Não apenas eles não conseguiram localizar a fonte, mas mesmo usando seus sensores acústicos mais sofisticados, nenhuma das equipes conseguiu detectar o zumbido em si. O que eles conseguiram determinar foi que 2% da população ouviu o zumbido, mas a melhor explicação que os cientistas puderam dar é que era uma alucinação auditiva ou talvez uma condição médica semelhante ao zumbido, ou zumbido nos ouvidos.

Curiosamente, zumbidos misteriosos foram relatados em vários locais do mundo. Existem vários casos bem documentados, incluindo o Kokomo Hum de Indiana, os zumbidos de Durham e Bristol no Reino Unido e um zumbido recentemente relatado em North Canterbury, Nova Zelândia. Em cada um dos casos, apenas uma fração dos moradores pode ouvir o som. E duas décadas após a erupção inicial de relatos de zumbidos do Taos, vários moradores continuam a sentir o zumbido inexplicável. Para eles, o mistério está longe de ser resolvido.

Sky Quakes

No final da manhã de 1º de janeiro de 2022, um barulho explosivo abalou casas, sacudiu janelas e disparou alarmes de carros em toda a cidade de Pittsburgh, Pensilvânia. O som, que se assemelhava a um estrondo sônico, foi relatado em toda a região e no leste de Ohio. As autoridades que investigam o incidente determinaram que não houve voos militares ou testes relatados na área. O Serviço Nacional de Meteorologia também não conseguiu explicar o som trovejante. No entanto, sua instrumentação capturou um curioso flash de luz acompanhando o misterioso estrondo.

Apenas alguns dias antes, no lado oposto do país, os moradores de San Diego experimentaram um fenômeno semelhante. Os terremotos celestes, como são conhecidos, foram documentados recentemente nos Estados Unidos, Paris, Índia e Reino Unido. Os cientistas especularam que a ocorrência pode estar associada a ejeções de massa coronal ou possivelmente meteoros não detectados entrando na atmosfera da Terra. Outros acreditam que o som ensurdecedor pode vir do colapso de cavernas submarinas ou bolhas de gás do fundo do oceano chegando à superfície e explodindo com o impacto com o ar. No entanto, nenhuma evidência real apoiando qualquer uma dessas teorias foi encontrada.

O que torna o fenômeno misterioso ainda mais intrigante é que ele foi documentado pela primeira vez há mais de 200 anos – em 1804. Os exploradores Capitão Meriwether Lewis e o tenente William Clark escreveram sobre sentir um barulho estrondoso, semelhante a fogo de artilharia, inexplicavelmente vindo de céu limpo durante suas viagens pela Dakota do Norte, perto do local da Torre do Diabo. (Sim, a mesma Torre do Diabo que serviu como local do primeiro contato extraterrestre no filme Contatos Imediatos do Terceiro Grau de Steven Spielberg.) Até hoje, esse mistério permanece apenas isso.

Cabelo de anjo

Em 17 de outubro de 1952, um diretor de escola em Oloron, na França, foi convocado ao pátio da escola para testemunhar um objeto cilíndrico pairando no céu. O objeto voador exauriu uma nuvem de fumaça, liberando uma série de objetos esféricos vermelhos menores. De acordo com a observação do diretor Jean-Yves Prigent através de seus binóculos, esses objetos viajavam em pares e produziam o que parecia ser um arco elétrico entre eles. A substância branca parecida com cabelo produzida pelos ofícios chovia sobre o pátio cobrindo galhos de árvores e postes de luz. O material se desintegrou em uma substância gelatinosa e evaporou rapidamente.

Dez dias depois, um incidente semelhante do chamado “cabelo de anjo” ocorreu a quase 320 quilômetros de distância em Gaillac, na França. Dois anos depois, em 1954, durante um jogo de futebol em Florença, na Itália, milhares de espectadores ficaram com os olhos grudados no céu enquanto um objeto voador não identificado sobrevoava o estádio e liberava esse mesmo tipo de substância “cabelo de anjo”.

Os cientistas descartaram o “cabelo de anjo” caindo do céu como um fenômeno natural causado pela migração de aranhas bebês e pelas delicadas teias de seda que ajudam a transportá-las pelo ar. No entanto, de acordo com estudos de caso de OVNIs, pesquisadores da Universidade de Florença testaram amostras. Eles descobriram que contêm boro, silício, cálcio e magnésio – substâncias que não estão associadas à seda da aranha.

Como muitas vezes acontece com fenômenos estranhos, as perguntas permanecem sem resposta. Pesquisadores, cientistas e testemunhas locais continuam procurando a verdade por trás dos misteriosos encontros vistos e ouvidos por pessoas ao redor do mundo por séculos.

Comente!