As incríveis linhas de Nazca

Antigos teóricos alienígenas como Erich von Däniken acreditam que, milhares de anos atrás, extraterrestres pousaram na Terra, onde foram saudados como deuses e ajudaram a moldar a civilização humana. Mas que prova poderia existir para tal encontro? 

Os defensores da teoria apontam para dois tipos de evidência: textos religiosos antigos e espécimes físicos, como desenhos em cavernas, esculturas de pedra e pirâmides. Sua curiosidade está aguçada? Aqui está uma rápida introdução a alguns dos exemplos mais famosos.
Primeiro, começaremos com as famosas Linhas de Nazca.

As Linhas de Nazca

Gravada em um alto planalto no deserto de Nazca, no Peru, uma série de designs antigos que se estendem por mais de 80 quilômetros tem confundido os arqueólogos por décadas. Junto com linhas simples e formas geométricas, eles incluem desenhos de animais, pássaros e humanos, alguns medindo mais de 180 metros de largura. 

Por causa de seu tamanho colossal, as figuras só podem ser apreciadas do alto – e não há evidências de que o povo Nazca, que habitou a área entre 300 aC e 800 dC, tenha inventado máquinas voadoras. De acordo com os antigos teóricos alienígenas, as figuras eram usadas para guiar espaçonaves à medida que pousavam, e as linhas serviam como pistas.

Estendendo-se pelas planícies de Nazca como um mapa gigante ou planta deixada por antigos astronautas, encontram-se as famosas Linhas de Nazca do Peru. O Peru está associado à Civilização Inca.

As Linhas de Nazca são um enigma. Ninguém tem provas de quem os construiu ou por quê. Desde sua descoberta, as Linhas de Nazca inspiraram explicações fantásticas de deuses antigos, uma pista de aterrissagem para o retorno de alienígenas, um calendário celestial criado pela antiga civilização de Nazca – colocando a criação das linhas entre 200 AC e 600 DC, usado para rituais provavelmente relacionados à astronomia, para confirmar os ayllus ou clãs que compunham a população e determinar por meio de rituais suas funções econômicas sustentadas pela reciprocidade e redistribuição, ou um mapa de abastecimento de água subterrâneo.

Existem também enormes geo-glifos no Egito, Malta, Estados Unidos (Mississippi e Califórnia), Chile, Bolívia e em outros países. Mas os geo-glifos de Nazca, por seus números, características, dimensões e continuidade cultural, foram feitos e refeitos ao longo de todo o período pré-hispânico, formando um grupo arqueológico impressionante, mas também enigmático.

Localização

As Linhas de Nazca estão localizadas no Deserto de Nazca, um alto planalto árido que se estende entre as cidades de Nazca e Palpa no pampa (uma grande área plana do sul do Peru). A planície desolada da costa peruana que compreende os Pampas de San José (Jumana), Socos, El Ingenio e outros na província de Nasca, tem 400 km. 

Ao sul de Lima, cobre uma área de aproximadamente 450 km2, tanto de deserto arenoso como das encostas dos contornos dos Andes. Eles cobrem quase 400 milhas quadradas de deserto. Gravadas na superfície da areia pampa do deserto cerca de 300 centenas de figuras feitas de linhas retas, formas geométricas mais claramente visíveis do ar.

Planície Nazca

A planície de Nazca é praticamente única pela capacidade de preservar as marcações sobre ela, devido à combinação do clima (um dos mais secos da Terra, com apenas vinte minutos de chuva por ano) e o terreno plano e pedregoso que minimiza o efeito do vento ao nível do solo. 

Sem poeira ou areia para cobrir a planície e pouca chuva ou vento para erodi-la, as linhas desenhadas aqui tendem a permanecer desenhadas. Esses fatores, combinados com a existência de um subsolo de cor mais clara sob a crosta do deserto, fornecem uma vasta almofada de escrita ideal para o artista que deseja deixar sua marca para a eternidade.

Os seixos que cobrem a superfície do deserto contêm óxido ferroso. A exposição de séculos deu-lhes uma pátina escura. Quando o cascalho é removido, eles contrastam com a cor por baixo. Desta forma, as linhas foram desenhadas como sulcos de cor mais clara, embora em alguns casos se tornassem estampas. 

Em outros casos, as pedras que definem as linhas e desenhos formam pequenas lombadas laterais de diferentes tamanhos. Alguns desenhos, principalmente os primeiros, foram feitos retirando as pedras e o cascalho de seus contornos e assim as figuras se destacaram em alto relevo.

A concentração e justaposição das linhas e desenhos não deixam dúvidas de que exigiram um trabalho intensivo de longo prazo, como o demonstra a continuidade estilística dos desenhos, que correspondem claramente às diferentes etapas das mudanças culturais.

Linhas de Nazca – desenhos enigmáticos

Parece haver vários desenhos consistindo de figuras de animais, flores e plantas, objetos e figuras antropomórficas de proporções colossais feitas com linhas bem definidas. Um exemplo disso é o desenho de um ser esquisito com duas mãos enormes, uma normal e outra com apenas quatro dedos.

Também estão representados desenhos de objetos feitos pelo homem, como fios, teares e “tupus” (colchetes ornamentais). Todas essas figuras têm entradas bem definidas que podem ser usadas como caminhos ou para permitir que as pessoas se enfileirem ao longo das conformações dos desenhos.

As figuras antropomórficas são relativamente poucas e situam-se nas encostas. O ser mais conhecido é O Astronauta com 32 metros de comprimento, descoberto por Eduardo Herran em 1982.

As linhas têm muitos quilômetros de extensão e se cruzam em setores dos pampas em todas as direções. Muitas das linhas formam figuras geométricas: ângulos, triângulos, cachos, espirais, retângulos, linhas onduladas, círculos concêntricos.

Composição

As linhas foram supostamente feitas removendo os seixos revestidos de óxido de ferro que cobrem a superfície do deserto. Quando o cascalho é removido, eles contrastam com a cor clara por baixo. Desta forma, as linhas foram desenhadas como sulcos de uma cor mais clara.

 Ao largo do Pampa, ao sul das Linhas de Nazca, os arqueólogos descobriram a cidade perdida dos construtores das linhas, Cahuachi. Foi construído há quase 2.000 anos e misteriosamente abandonado 500 anos depois.

Descobrindo as linhas de Nazca por estranhos

As Linhas de Nazca foram descobertas pela primeira vez quando as companhias aéreas comerciais começaram a voar pelo deserto peruano na década de 1920. Os passageiros relataram ter visto ‘pistas de pouso primitivas’ no solo abaixo. Hoje as pessoas às vezes voam em balões de ar quente para ver os esplendores das Linhas de Nazca, seus eneries despertando algo em suas almas.

Comente!