Cientistas vasculham Tunguska em busca de ‘matéria cósmica’

Esforços estão em andamento para provar de uma vez por todas que a explosão de Tunguska em 1908 foi causada por um meteoro.

Poucos desastres naturais no século 20 geraram tanta discussão e debate quanto a enorme explosão que ocorreu em Tunguska, na Sibéria, 112 anos atrás – um evento tão destrutivo que conseguiu aplainar mais de 80 milhões de árvores em uma área de 2.000 quilômetros quadrados .


Felizmente, o desastre aconteceu em uma região escassamente povoada e, além de um pastor de cervos que supostamente foi morto pela força da explosão, não houve outras vítimas relatadas.

Exatamente o que foi responsável pela explosão, entretanto, permaneceu por muito tempo um tópico de debate acalorado, com alguns evitando a teoria do meteoro convencional em favor de outras explicações, como uma erupção vulcânica, um impacto de cometa ou até mesmo uma intervenção extraterrestre.

Agora, em uma tentativa renovada de resolver o mistério, os cientistas russos estão vasculhando o remoto Lago Zapovednoye da Sibéria em busca de “matéria cósmica” que ajudaria a provar que um meteoro estava envolvido.

“O mistério da catástrofe de Tunguska preocupa tanto os pesquisadores quanto o público”, disse o biólogo Dr. Arthur Meidus, vice-diretor de uma reserva natural próxima.

“Descobrimos uma camada de cor clara distinta nos sedimentos do Lago Zapovednoye.”

A próxima etapa será analisar o material em busca de sinais de micropartículas relacionadas à explosão.

“O meteorito não está aqui como um corpo físico, mas sim os vestígios da explosão extremamente poderosa, que é o que atualmente é estudado por pesquisadores”, disse o Dr. Meidus.

“Muitos de nós ainda esperam desvendar o cenário do desastre de 1908.”

Comente!