Teorias da conspiração estão em ascensão?

As teorias da conspiração podem ter recebido muita atenção da imprensa ultimamente, mas quantas pessoas acreditam nelas?

Liberty Vittert, professora de Prática de Ciência de Dados da Universidade de Washington em St. Louis, investiga como a popularidade das teorias da conspiração mudou ao longo dos anos.



A Internet e as mídias sociais criaram um clima em que os americanos acreditam que tudo é possível? Com manchetes citando agora como a era da conspiração, é realmente verdade?

Em uma palavra, não.

Embora possa ser verdade que a Internet tenha permitido que as pessoas que acreditam em conspirações se comuniquem mais, ela não aumentou o número de americanos que acreditam em conspirações, de acordo com os dados disponíveis.

Crenças atuais

Uma “teoria da conspiração” é uma teoria que explica um evento ou conjunto de circunstâncias como resultado de uma trama secreta, geralmente por conspiradores poderosos.

Mais de 29% da população americana acredita que existe um “Estado profundo” trabalhando contra o presidente Donald Trump. Dezenove por cento acreditam que o governo está usando produtos químicos para controlar a população.

Essas teorias da conspiração não se restringem simplesmente a uma população marginal. Pelo menos 50% dos americanos acreditam em pelo menos uma teoria da conspiração, desde a idéia de que os ataques de 11 de setembro foram falsos até a crença de que o ex-presidente Barack Obama não nasceu nos EUA.

Crença em teorias da conspiração

Um estudo analisou a opinião dos americanos. crenças em várias teorias da conspiração, de acordo com pesquisas realizadas em 2006, 2010 e 2011. Mais da metade dos entrevistados concordou em pelo menos uma das teorias.

Dados históricos

Não há grandes estudos longitudinais abrangentes sobre as atitudes dos americanos em relação às teorias da conspiração, principalmente porque não foram rigorosamente medidos até 10 a 20 anos atrás.

No entanto, os pesquisadores fizeram uma quantidade considerável de trabalho nos últimos anos, na tentativa de entender esse aparente fenômeno.Os cientistas políticos Joseph E. Uscinski e Joseph M. Parent revisaram mais de 120 anos de cartas ao editor, de 1890 a 2010, para o New York Times e o Chicago Tribune.

Em mais de 100.000 cartas, esta revisão não mostrou absolutamente nenhuma mudança na quantidade de crenças da teoria da conspiração ao longo do tempo. De fato, a porcentagem de cartas sobre teorias da conspiração declinou do final do século XIX para os anos 1960 e permaneceu estável desde então.

Embora esses pesquisadores tenham analisado dados apenas até 2010, as pesquisas atuais não mostraram nenhum aumento na crença na teoria da conspiração desde então.

O fim está próximo?

Como Uscinski e Parent apontaram, essa não é a primeira vez que os americanos podem se sentir cercados por conspirações.

Em 2004, o Boston Globe afirmou que estamos na “era de ouro da teoria da conspiração”.

Em 1994, o Washington Post declarou que é o “início de uma nova era da teoria da conspiração”.

Em 1964, o New York Times disse que as teorias da conspiração “cultivaram maconha como neste país”.

A lista poderia continuar indefinidamente, mas a essência é clara.

Seja a invenção da imprensa, da publicação em massa, do telégrafo, do rádio, do cabo, da internet ou das mídias sociais, os pesquisadores e o público em geral têm historicamente proclamado que esse – ou isso, ou esse – novo avanço é o transformador nas realidades políticas.

Embora a internet certamente tenha facilitado a discussão entre teóricos da conspiração,

Comente!