Mistério da taxa de expansão do universo se aprofunda

Uma nova tentativa de calcular a rapidez com que o universo está se expandindo levantou mais perguntas do que respostas.

Conhecida como Constante Hubble, a taxa de expansão do universo foi originalmente estimada pelo físico e astrônomo Georges Lemaitre em 1927.


Mais recentemente, usando dados do Telescópio Espacial Hubble, os físicos calcularam que a taxa de expansão era de aproximadamente 73 quilômetros por segundo por megaparsec.

Em seguida, uma equipe separada de pesquisadores, usando dados da sonda Planck da Agência Espacial Européia, apresentou um número completamente diferente de cerca de 67 quilômetros por segundo por megaparsec.

Mais recentemente, a astrônoma da Universidade de Chicago Wendy Freedman e seus colegas tentaram provar que a taxa de expansão era uma ou outra usando um método diferente que envolvia o cálculo do brilho de estrelas gigantes vermelhas em galáxias distantes.No entanto, os esforços resultaram em um valor de 69,8 quilômetros por segundo por megaparsec – uma resposta completamente nova que não corresponde a nenhuma das descobertas anteriores.

De fato, ao longo dos anos, houve inúmeras tentativas de calcular a Constante de Hubble e nenhuma delas concorda. Parece que os físicos devem estar perdendo alguma coisa.

“Naturalmente, surgem questões sobre se a discrepância vem de algum aspecto que os astrônomos ainda não entendem sobre as estrelas que estamos medindo, ou se nosso modelo cosmológico do universo ainda está incompleto”, disse Freedman.

“Ou talvez ambos precisem ser aprimorados.”

Comente!