Ufologia

Rover da NASA em Marte detecta nuvem de gás que indica a possibilidade de vida

Os cientistas da missão Curiosity captaram o sinal esta semana e estão buscando leituras adicionais do planeta vermelho.

Aparentemente, Marte está arrotando uma grande quantidade de gás que pode ser um sinal de micróbios que vivem hoje no planeta.


Em uma medição realizada na quarta-feira, o veículo Curiosity da NASA descobriu quantidades surpreendentemente altas de metano no ar de Marte, um gás que na Terra é normalmente produzido por seres vivos.

Os dados chegaram à Terra na quinta-feira e, na sexta-feira, cientistas que trabalham na missão estavam discutindo animadamente a notícia, que ainda não foi anunciada pela NASA.

“Diante desse resultado surpreendente, reorganizamos o fim de semana para realizar um experimento de acompanhamento”, escreveu Ashwin R. Vasavada, cientista do projeto para a missão, em um email obtido pelo The Times.

Os controladores da missão na Terra enviaram novas instruções ao rover na sexta-feira para acompanhar as leituras, colidindo com o trabalho científico previamente planejado.

As pessoas há muito tempo são fascinadas pela possibilidade de alienígenas em Marte. Mas as sondas Viking da NASA nos anos 1970 fotografaram uma paisagem desolada.

Duas décadas depois, cientistas planetários pensaram que Marte poderia ter sido mais quente, mais úmido e mais habitável em sua juventude, cerca de 4 bilhões de anos atrás.

Agora, eles estão entretendo a noção de que se a vida alguma vez surgisse em Marte, seus descendentes microbianos poderiam ter migrado para o subsolo e persistido.

O metano, se estiver lá no fino ar de Marte, é significativo, porque a luz solar e as reações químicas quebrariam as moléculas dentro de alguns séculos. Assim, qualquer metano detectado agora deve ter sido lançado recentemente.

Na Terra, micróbios conhecidos como metanogênicos prosperam em lugares sem oxigênio, como rochas subterrâneas profundas e tratos digestivos de animais, e liberam metano como resíduo. No entanto, reações geotérmicas desprovidas de biologia também podem gerar metano.

Também é possível que o metano seja antigo, preso dentro de Marte por milhões de anos, mas escapando intermitentemente através de rachaduras.

A Nasa reconheceu a detecção de metano em um comunicado no sábado à tarde, mas chamou de “resultado precoce da ciência”.

Sobre o autor

Renê Fraga

é bacharel em administração de empresas e fundador da FragaNet Networks - empresa especializada em comunicação digital e mídias sociais. Em seu portfólio estão projetos como: Google Discovery, TechCult, AutoBlog e Arquivo UFO. Também foi colunista de tecnologia no TechTudo, da Globo.com.

Comente!

error: