Ufologia

OVNIs estão mais difíceis de detectar, afirmam pesquisas

Novas pesquisas sugerem que os avistamentos de OVNIs nos EUA, que tendem a se mover em ciclos flutuantes de seis ou sete anos, estão em tendência de queda permanente – e os pesquisadores estão perplexos.

Cheryl Costa, recentemente nomeada Pesquisadora do Ano pelo Congresso Internacional de OVNIs, descobriu que avistamentos anuais de OVNIs no país agora são 7.837, em média, uma queda “gritante” de 41% em relação aos anos médios de pico de três anos.


ONDE ESTÁ O MELHOR LUGAR NOS EUA PARA VER UM OVNI?

Costa, que escreveu suas descobertas no Syracuse New Times, explicou que, durante os ciclos, os avistamentos de OVNIs sobem para um pico, declinam em direção à linha de base e depois se levantam para iniciar um novo ciclo.

Entre 2012 e 2014, os EUA tiveram uma média de 13.500 aparições anuais de OVNIs, escreveu Costa, citando dados da NUFORC (National UFO Reporting Center) e da MUFON (Mutual UFO Network).

No entanto, em 2015, os avistamentos caíram 11%, para 11.975, e 2016 registrou uma queda ainda mais dramática, caindo 21%, para 10.602.

Costa ainda não encontrou um motivo sólido para a queda significativa dos avistamentos, mas especula que isso tenha a ver com o acesso à internet de banda larga.

“Nós vemos números de relatórios relativamente simples de 2001 a 2006”, escreveu Costa.

“Esse nivelamento é considerado um artefato de reportagem, já que o acesso à internet em banda larga ainda está crescendo na maioria das áreas. O acesso à banda larga é um fator importante nas pessoas que usam rotineiramente os serviços de relatórios na Web, como NUFORC e ??MUFON.”

Costa observou que o estado de Nova York subiu para o quarto lugar mais provável para ver um OVNI em 2016 e 2017, mas caiu significativamente em relação à média de pico, com 325 aparições em 2017, abaixo da média de 577 entre o período de 2012 e 2014.

Ela escreveu que tanto os gráficos nacionais quanto os do Estado de Nova York mostram o padrão clássico de ascensão e queda de 2006 a 2010 e, em 2011, o aumento recomeça.

O pico que foi visto em 2012 pode ser atribuído ao “calendário maia”, fazendo com que mais pessoas olhem para cima, disse Costa. Com isso em consideração, o clássico ciclo de avistamento de OVNIs é visto “claramente” de 2011 e 2017.

Sobre o autor

Renê Fraga

é bacharel em administração de empresas e fundador da FragaNet Networks - empresa especializada em comunicação digital e mídias sociais. Em seu portfólio estão projetos como: Google Discovery, TechCult, AutoBlog e Arquivo UFO. Também foi colunista de tecnologia no TechTudo, da Globo.com.

Comente!

error: