Microfósseis sugerem que a vida alienígena pode ser comum no universo

Os cientistas identificaram um grupo diversificado de organismos dentro de fósseis que remontam a 3,45 bilhões de anos.

Em um novo relatório publicado na revista Proceedings of the National Academy of Sciences, cientistas da UCLA e da Universidade de Wisconsin-Madison delinearam a descoberta de vários organismos distintos do passado distante da Terra.


Isso inclui dois que realizaram uma forma primitiva de fotossíntese, uma que produziu gás metano e outro que consumiu metano para o ajudar a desenvolver.

A presença de uma gama tão diversificada de organismos tão cedo na história da Terra sugere que é extremamente improvável que a vida não tenha surgido em outros planetas também.

“3.465 bilhões de anos atrás, a vida já era diversificada na Terra, é claro – os fotossintetizadores primitivos, os produtores de metano, os usuários de metano”, disse o autor principal do estudo, J. William Schopf.

“Estes são os primeiros dados que mostram os organismos muito diversos naquela época na história da Terra, e nossa pesquisa anterior mostrou que havia usuários de enxofre há 3,4 bilhões de anos também”.

“Isso nos diz que a vida deve ter começado substancialmente mais cedo e confirma que não era difícil para a vida primitiva se formar e evoluir para micro-organismos mais avançados”.

“Se as condições estiverem corretas, parece que a vida no universo deve ser generalizada”.

Comente!