Curiosidades

Como a Nasa defende a Terra contra as pragas do espaço exterior

No verão de 1957, a Terra foi testemunha de um meteorito caído na área rural na Pensilvânia, trazendo consigo uma praga de comer pessoas nunca vista: uma ameba alienígena com gosto pela carne humana.

Enquanto tínhamos Steve McQueen para resolver esta invasão, a humanidade agora é defendida contra os mocassins microbianos do espaço exterior pela NASA e seus homólogos internacionais.


A contaminação biológica vai em ambos os sentidos, lembre-se.

Tão importante quanto manter os organismos extraterrestres fora da nossa superfície (também conhecido como “contaminação atrasada”) é garantir que nossas sondas planetárias carreguem poucos microbianos da Terra o possível (“contaminação para a frente”).

Para esse fim, em 1958, a Academia Nacional de Ciências (NAS) dos Estados Unidos emitiu um decreto pedindo “que cientistas planifiquem estudos lunares e planetários com grande cuidado e preocupação profunda para que as operações iniciais não se comprometam e tornem impossível para sempre após experimentos científicos críticos”.

No ano seguinte, o recém-formado Comitê de Pesquisa Espacial (COSPAR) argumentou que “todas as medidas práticas devem ser tomadas para garantir que Marte não seja contaminado biologicamente” até que uma pesquisa exaustiva de vida no planeta tenha sido realizada.

Essas recomendações tornaram-se lei em 1967, quando os EUA, a URSS e o Reino Unido assinaram o Tratado das Nações Unidas para o Espaço.

Parte do nosso pensamento sobre a proteção planetária é que queremos garantir que salvaguardemos qualquer exploração humana futura”, disse Luciann Walkowicz, um astrônomo do Planetário Adler e da Cadeira de Astrobiologia da Biblioteca do Congresso.

“Quando trazemos espaçonaves para outros mundos (ou, eventualmente, seres humanos), queremos garantir que entendamos esse ambiente. Isso significa ser relativamente cauteloso em contaminá-lo”.

No entanto, nem todos os objetivos extraterrestres de interesse humano exigem o mesmo grau de cautela.

Lugares como o Sol ou o Mercúrio, que são quase que desprovidos de organismos biológicos, não exigem o mesmo nível de proteção que, digamos, de Marte ou Lua, que são apenas fortemente irradiados e desesperadamente frios.

De fato, o COSPAR desenvolveu um sistema de 5 categorias que as agências espaciais devem respeitar quando estão desenvolvendo suas sondas planetárias:

A categoria I abrange lugares com poucas possibilidades de encontrar formas de vida básicas, como Mercúrio.

A categoria II inclui lugares que podem ser explorados para as origens da vida, mas onde as chances de contaminação por micróbios terrestres são remotas. Pense em Vênus ou a Lua.

A categoria III regula missões de flyby e orbiter onde as chances de contaminação são moderadas, como Marte ou Europa. É por isso que Cassini foi jogada em Saturno: não poderíamos vê-la caindo em Encélado ou Titã.

A categoria IV regula as missões de proa ou sonda nos mesmos lugares da categoria III, embora seja ainda dividida em uma série de subclasses baseadas em regiões específicas da superfície do planeta e o que a lander está realmente procurando.

A categoria V é o que acontece se houver uma boa chance de pegar um Blob no espaço. Exige “proibição absoluta do impacto destrutivo após o retorno, a contenção de todo o hardware devolvido que contatou diretamente o corpo alvo e a contenção de qualquer amostra não esterilizada retornada à Terra”.

“Eu acho que eles são bons para nós como um quadro de trabalho”, disse Walkowicz. “Eles certamente nos serviram bem na história da exploração e nosso sistema solar até o momento”.

“Nós realmente queremos salvaguardar a biosfera do nosso próprio planeta, temos todos esses maravilhosos seres vivos aqui”, disse Walkowicz.

“Queremos garantir que possamos explorar e trazer de volta as amostras e usar os benefícios de nossos laboratórios terrestres sem pôr em perigo o mundo”.

Para garantir que a nave espacial de saída permaneça estéril até serem lançadas, a OPP baseou-se tradicionalmente em um processo conhecido como Redução microbiana de calor seco (DHMR).

Isso envolve assar componentes de espaçonaves individuais a temperaturas de 110 graus Celsius durante 47 horas ou 125C por 5 horas com umidade relativa zero.

Existem, no entanto, limitações para este método. Não pode esterilizar uma nave espacial inteira, por exemplo, pois tudo, desde componentes eletrônicos até adesivos estruturais e pára-quedas de desembarque, seria destruído pelo calor.

Como tal, a NASA vem pesquisando métodos alternativos para aumentar o processo DHMR, muitos dos quais provenientes de tecnologias médicas existentes.

De interesse particular para a exploração de Marte é a limpeza supercrítica de dióxido de carbono. O dióxido de carbono é mantido sob uma temperatura extremamente baixa e com uma pressão extremamente alta para que exiba qualidades tanto de gás quanto de líquido.

Quando misturado com ácido peracético (PAA), ele pode ser usado para esterilizar materiais.

Há também trabalho feito com óxido de etileno como esterilizador, embora Walkowicz aponte que o óxido de etileno é “tipo de explosivo”. Técnicas de radiação ionizante também estão sendo exploradas.

Mesmo que requisitos de proteção planetária sejam seguidos a risca, não existem ambientes 100% livres de contaminações.

Sobre o autor

Renê Fraga

é bacharel em administração de empresas e fundador da FragaNet Networks – empresa especializada em comunicação digital e mídias sociais. Em seu portfólio estão projetos como: Google Discovery, TechCult, AutoBlog e Arquivo UFO. Também foi colunista de tecnologia no TechTudo, da Globo.com.

Comente!

error: