Ufologia

O que Darwin falaria sobre os alienígenas?

O que seria vida em um sistema de estrelas distante? Os humanos a reconheceriam como vida?

Uma nova teoria diz que sim. De fato, a vida em outros planetas (ou luas ou asteroides) pode parecer surpreendentemente semelhante à da vida aqui na Terra, disseram cientistas da Universidade de Oxford em um artigo publicado no International Journal of Astrobiology em 31 de outubro.


Isso ocorre porque a vida em outros planetas provavelmente estarão sujeitos à seleção natural, assim como a vida na Terra. E se a vida está sujeita à seleção natural, é provável que compartilhe semelhanças, mesmo que não seja baseada em carbono, por exemplo, ou codifique suas instruções de operação de forma totalmente diferente do DNA.

“As coisas vivas são adaptadas”, escreveu o co-autor Samuel Levin, um doutorando em zoologia na Universidade de Oxford.

“Eles provavelmente fazem coisas ‘como comer, sobreviver, crescer, reproduzir'”.

A única maneira de se adaptar, disse Levin, é através da seleção natural, o processo pelo qual a variação hereditária entre os indivíduos leva a diferenças de sucesso e, finalmente, a sobrevivência do mais apto.

“Tudo o que nos revelará como vida alienígena sofrerá uma seleção natural”, disse Levin.

Tomando a seleção natural como ponto de partida, Levin e seus colegas tentaram entender como os alienígenas poderiam parecer. “Esta é uma abordagem teórica da questão”, disse Levin.

Muitos astrobiologistas chamam a abordagem de “mecanicista”, observando como a vida evoluiu na Terra – digamos, em torno das aberturas de águas profundas – e tentam aplicá-la aos ambientes de planetas distantes.

As previsões mecânicas têm seus pontos fortes, disse Levin, mas porque o tamanho da amostra dos planetas com a vida conhecida é apenas um, sendo difícil saber o que é exclusivo para a Terra e o que seria verdadeiro no espaço.

Por exemplo, os olhos ou as estruturas oculares evoluíram independentemente cerca de 40 vezes na Terra, mas não está claro se os alienígenas também possuem olhos ou se a visão é um sentido centrado na Terra.

Essas ilustrações representam diferentes níveis de complexidade adaptativa que a vida alienígena pode passar, variando de uma molécula replicadora simples, sem design aparente, para uma entidade simples, celular, que sofre seleção natural, para um alienígena com muitas partes intrincadas trabalhando juntas.

“As previsões teóricas, como as que fazemos, não estão ligadas aos detalhes da Terra”, disse Levin. “Elas se mantêm independentemente de os extraterrestres serem feitos de carbono ou silício, ter DNA ou XNA, respirar oxigênio ou nitrogênio, etc.”

As previsões teóricas não podem determinar qualquer coisa tão específica quanto se os alienígenas se parecem mais com ET ou Predator, mas a seleção natural leva a certos tipos de organismos.

Os extraterrestres que sofreram uma seleção natural seriam “aninhados”, disse Levin – teriam sofrido transformações em complexidade ao longo do tempo, e eles manteriam algumas evidências dessas transições.

Na Terra, os genes “cooperaram” para fazer genomas, os genomas fizeram planos para as células, e as células primitivas eventualmente unidas para formar células eucarióticas mais complexas.

(Mitocôndria, as organelas transformadoras de energia de células eucarióticas, foram, uma vez, organismos separados que entraram em uma relação mutuamente benéfica com suas células hospedeiras).

As células se unem para formar organismos multicelulares e os organismos multicelulares cooperam frequentemente em colônias ou sociedades.

Conhecendo os vizinhos

Para ilustrar o conceito, Levin e seus colegas sonharam com um alienígena de tubérculos que eles chamavam de “Octomite”, uma criatura complexa composta de entidades menores que alinharam seus interesses para que cooperassem, bem como as células do corpo humano trabalham juntas para mantenha a pessoa viva.

“Estamos sozinhos?” é uma das questões fundamentais do universo, disse Levin, por isso vale a pena ponderar o tipo de vida que podemos enfrentar se encontrarmos o ET lá fora.

“Em um nível mais filosófico, entender quais recursos serão universais para a vida, onde quer que ela exista, parece profundamente gratificante”, disse Levin.

“Nosso trabalho não pode responder a questão de saber se estamos sozinhos, mas nos diz algo sobre nossos vizinhos caso não estejamos sozinhos”.

Sobre o autor

Renê Fraga

é bacharel em administração de empresas e fundador da FragaNet Networks – empresa especializada em comunicação digital e mídias sociais. Em seu portfólio estão projetos como: Google Discovery, TechCult, AutoBlog e Arquivo UFO. Também foi colunista de tecnologia no TechTudo, da Globo.com.

Comente!

error: