Ufologia

Incidente Lonnie Zamora: encontro com OVNI em Socorro, Novo México

Até o meio da década de 60, existiam poucas evidências físicas sobre os UFOs. Parte da culpa disso é da Força Aérea que não acreditava em ninguém que afirmasse ter visto um disco voador pousar no seu quintal. Mas em 1964 tudo mudou com o Incidente de Socorro, Novo México.

No dia 24 de abril de 1964, por volta das 17:50hs, em Socorro, Novo México, , o policial Lonnie Zamora, estava perseguindo um carro que tinha ultrapassando o limite de velocidade. Durante a perseguição ele ouviu uma enorme explosão, e pensou que tivesse sido um paiol de dinamites próximo ao local de onde estava.


Quando ele observou uma intensa luz brilhante azul indo na direção do paiol largou a perseguição e entrou numa estrada de terra. A luz baixou e desapareceu atrás de um morro. Neste instante ele não ouvia mais nenhum barulho. Ele subiu no morro e tudo estava silencioso.

Ele parou seu carro e desceu procurando algo até que os seus olhos viram um objeto metálico pousado. A sua primeira impressão foi que era um carro branco de cabeça para baixo. Foi então que ele viu duas “figuras” ao lado do objeto como se estivessem inspecionando a nave. Uma das “figuras” – a que estava mais distante da nave – pareceu ter visto o carro do policial.

Marcas do suposto trem de pouso da nave alienígena

“Ele deve ter me visto, pois quando me virei ele estava olhando para o meu carro e parecia estar assustado. Ele um pulo para trás”.

Os seres eram muito pequenos, do tamanho de crianças. O objeto era olva e estava pousado de “pé”.

Enquanto ele relatava ao Departamento de Polícia pelo rádio de seu carro o que tinha visto, saiu novamente do seu veículo e com o rádio na mão ouviu um barulho parecido ao de fechar uma porta. Nesse momento ele ouviu um estranho som e viu o objeto começar a decolar.

“Ele tinha uma espécie de chama saindo da parte de baixo. A chama era azul e também tinha uma coloração alaranjada. Ele não expeliu fumaça alguma”.

O objeto era liso, sem janelas e portas. Zamora notou algumas letras esquisitas em vermelho no meio dele. Ele parecia ser feito de alumínio.

Suposto local do pouso do OVNI

Quando isso aconteceu, Zamora estava a menos de 15m do objeto, e viu a chama. Logo pensou que o objeto iria explodir. Então ficou na diagonal e começou a subir. Ele chegou até mesmo a sentir o calor emitido pelo UFO.

“O objeto estava indo embora na direção sudeste e entrei em contato com Nep Lopez, o operador de rádio para que ele olhasse pela janela e tentasse vê-lo. Ele perguntou: como ele se parece?’, e eu respondi: ‘parece com um balão’. Não sei se ele chegou a ver o UFO”.

“Enquanto eu falava com Nep, ainda conseguia ver o objeto. Ele parecia estar subindo bem devagar, e finalmente desapareceu atrás das montanhas”.

Nep Lopez pediu para que o sargento M.S. Chavez fosse até o local.

“Quando desci até o lugar onde o UFO havia pousado, percebi que o solo estava queimado. Nesse momento o sargento Chavez me chamou pelo rádio perguntando se eu estava com problemas, e então lhe contei tudo”.

Todo o incidente durou cerca de dois minutos. Quando Chavez chegou e viu a expressão de Zamora, ele perguntou se havia visto o diabo. Zamora respondeu: “Talvez sim”.

As marcas pareciam ter sido feitas por algo muito pesado, tinham 30cm de comprimento por 42 de largura. A profundidade era de 10cm.

Zamora (à esquerda) juntamente com os investigadores militares do Projeto Blue Book

Os investigadores do Projeto Blue Book concluíram que Zamora tinha credibilidade e era uma pessoa íntegra. Eles também examinaram as marcas encontradas no deserto.

Sobre o autor

Renê Fraga

é bacharel em administração de empresas e fundador da FragaNet Networks - empresa especializada em comunicação digital e mídias sociais. Em seu portfólio estão projetos como: Google Discovery, TechCult, AutoBlog e Arquivo UFO. Também foi colunista de tecnologia no TechTudo, da Globo.com.

error: