O Caso Misterioso de Kaspar Hauser

kaspar-hauser

Kaspar Hauser foi uma criança encontrado em Nuremberg, em 1928, com supostamente 15 anos, não sabia falar, nem andar e não se comportava como humano.


Até hoje o seu enigma persiste: apesar de muitas hipóteses e suspeitas, não se descobriu sua origem.

Confuso e aparentemente desnorteado, foi encontrado carregando uma carta dirigida a um Capitão Von Wessenig, que era o capitão do 4º esquadrão do 6º regimento de cavalaria.

O autor desconhecido da carta afirmava que o menino foi atingido como um infante, recolhido, educado em casa, e nunca tinha saído dos limites.

A carta terminava com a afirmação de que o menino queria ser um cavaleiro, que o seu pai tinha sido um cavaleiro, e Wessenig deveria “levá-lo ou enforcá-lo.”

Outra carta curta se que parecia ser da mãe, que chamou o menino de “Kaspar”, afirmava que seu verdadeiro pai tinha sido um cavaleiro e que morreu por razões não especificadas. Curiosamente, ambas as cartas pareciam escritas com a exatamente a mesma caligrafia.

Todas as tentativas de se comunicar com ele provou ser inútil, a única coisa que ele disse foi: “Eu quero ser um cavaleiro, como o meu pai era” ou “cavalo!”. Repetido uma ou outra.

Quando pressionado em qualquer coisa, ele diria simplesmente “Não sei.” Ele se recusou a comer ou beber qualquer coisa, exceto pão e água. Ele também mostrou ser capaz de ler a um grau muito limitado.

A única informação útil que ele parecia ser capaz de fornecer era seu nome completo em um rabisco infantil em um pedaço de papel; Kaspar Hauser. Fora isso, ninguém tinha ideia de quem ele era realmente ou de onde ele tinha vindo. Ele era um enigma total.

A primeira teoria sobre as origens de Kaspar era que ele foi algum tipo de criança feroz cuidada por animais no deserto, o que explicaria sua falta de consciência social e habilidades de comunicação limitadas.

No entanto, como Kaspar começou a ganhar a capacidade de se expressar mais ele contou que essencialmente tinha sido levado a uma masmorra; em uma pequena cela escura no qual ele tinha vivido totalmente sozinho e dormia em uma cama de palha. Suas refeições eram pão e água deixado para ele todas as manhãs.

Kaspar Hauser viveu com alguns tutores até ser assassinado com uma facada no peito, em dezembro de 1833, nos jardins do palácio de Ansbach. As circunstâncias e motivações ou a autoria do crime jamais foram esclarecidas, apesar da recompensa de 10.000 Gulden (c. 180.000,00 Euros) oferecida pelo rei Luís I da Baviera para quem pegasse o assassino.

A sua história foi representada no filme de Werner Herzog, “Jeder für sich und Gott gegen alle” (em língua portuguesa, “Cada um por si e Deus contra todos”), de 1974, lançado em português com o título “O Enigma de Kaspar Hauser”.

A bibliografia destinada a desvendar a real identidade de Kaspar Hauser é composta por mais de 400 livros e 2 mil artigos. Alguns biógrafos são a favor da teoria do príncipe e outros, de que Hauser era um garoto que foi abandonado na cidade e inventou a história da masmorra para despertar a generosidade alheia.

Mais recentemente, surgiu a teoria de que o próprio ferimento a faca que o matou pode ter sido do próprio Kaspar, e ele simplesmente cortou-se mais profundamente do que pretendia.

Outros indícios que cercam o sua morte está a caligrafia e os erros gramaticais da nota encontrada no jardim do alegado agressor que eram semelhantes a do Kaspar, e a carta tinha sido dobrada da mesma maneira característica que ele dobrou outras cartas que ele havia escrito.

No entanto, para toda a especulação e teorias, até hoje ninguém sabe ao certo quem foi Kaspar Hauser, de onde ele veio, quanto de sua história era verdadeira, ou quem realmente o matou.

Comente!