A história do zumbi real do Haiti

clairvius-narcisse

Em 1980, um homem apareceu numa vila rural do Haiti dizendo ser Clairvius Narcisse, que havia morrido no Hospital Albert Schweitzer, de Deschapelles, Haiti, em 2 de maio de 1962. Ele se dizia consciente mas paralisado durante sua suposta morte: ele até teria visto o médico cobrir seu rosto com um lençol. Narcisse disse ter sido ressuscitado e transformado em zumbi por um sacerdote.


Clairvius Narcisse foi um cidadão haitiano que se diz ter sido convertido em um zumbi mediante o uso de uma combinação de drogas. Seu caso provocou um considerável interesse e algumas investigações científicas.

Segundo relatórios, Clairvius foi envenenado com uma mistura de diversos venenos naturais para simular sua morte. Alegou-se que o instigador da intoxicação foi seu irmão, com quem tinha tido uma disputa pela venda de umas terras. Segundo seu relato, após sua “morte” e posterior enterro em 2 de maio de 1962 , seu corpo foi desenterrado e lhe foi dada uma massa feita de Datura, a qual em determinadas dose tem efeitos disociativos e alucinógenos e pode causar perda de cor. Seu novo “amo”, um Bokor (bruxo) obrigou-lhe, junto com muitos outros zumbis escravos, a trabalhar em umas plantações de açúcar até que o bruxo morreu em 1964 . Depois daquilo e de que as doses regulares do alucinógeno cessaram, Clairivius finalmente recuperou a sensatez – diferente de muitos outros que sofreram danos permanentes no cérebro – e voltou com sua família. Em 18 de janeiro de 1980 foi encontrado vagando, seminu e em um estado de choque nos arredores de seu povo natal.

O antropólogo americano Wade Davis investigou o caso e analisou algumas dessas “poções de zumbi” feitas pelos sacerdotes da região. Percebeu que o único ingrediente comum a todas elas era um tipo específico de baiacu. Esse peixe possui no fígado e nos órgãos sexuais um potente veneno, chamado tetrodoxina, que paralisa o sistema nervoso central e pode fazer as pessoas parecerem mortas. Ele também analisou a substância usada para manter os zumbis em estado de estupefação e percebeu que eles eram feitos da Datura stramonium, uma planta com fortes substâncias psicoativas. A imagem de uma pessoa que ressuscita para andar tonta e cambaleante pelas plantações não era, portanto, tão fora de propósito.

Ninguém sabe se a descoberta de Davis é a resposta definitiva ao mistério. Por via das dúvidas, o código penal do Haiti determina que fazer uma pessoa parecer morta a ponto de ela ser enterrada é considerado assassinato, não importa o que aconteça depois.

Narcisse foi o incentivo para o Projeto Zumbi: um estudo sobre as origens dos zumbis feito no Haiti entre 1982 e 1984. Durante essa época, o etnobotânico e antropólogo Wade Davis viajou pelo Haiti na esperança de descobrir o que dá origem aos zumbis haitianos.

One Reply to “A história do zumbi real do Haiti

Comente!