Buracos Negros, buracos brancos, buracos de minhoca e universo-bebê

Alguns cientistas em seminários e artigos vêm examinando a possibilidade de viagens com velocidades mais rápidas que a luz. Os "buracos de minhoca"  (Wormholes), taquions (tachyons = partículas que viajam com velocidades muito superiores à velocidade da luz) e dimensões paralelas têm sido alguns dos tópicos examinados.

buraco_negro


Os próprios wormholes são, na teoria, caminhos por onde uma espaçonave poderia viajar para diminuir seu tempo de deslocamento. Estuda-se que um wormhole capaz de permitir a passagem de uma nave teria uma massa maior que a do planeta terra…

Buracos negros são estrelas que sofreram um colapso gravitacional e passaram a absorver toda e qualquer massa que estiver à sua volta para si mesmas, funcionando como um ‘sugador’.

Buracos brancos
As leis da física obedecem uma simetria temporal. Assim, se existem os buracos negros, em que os objetos podem cair, mas não podem escapar, então também existem locais onde os objetos não podem penetrar, mas podem escapar. Esses locais seriam chamados de buracos brancos.

Buracos de minhoca
Poderíamos especular que, durante uma viagem, seria possível penetrar num buraco negro e sair por um buraco branco para chegar mais rápido à outras galáxias. Estas passagens ou túneis que unem estes dois buracos são chamadas "buracos de minhoca" ou "buraco de verme".

Universo-bebê
Passando por um buraco de minhoca a espaçonave desembocaria em um pequeno "Universo-bebê". Ou seja, um Universo pequeno e independente que separa a nossa região do restante do Universo, um espaço ‘intermediário’.

wormhole

Já os buracos negros estariam relacionados à distorção espaco-tempo: seria uma estrela que sofreu um colapso gravitacional e passa a absorver toda e qualquer massa que estiver dentro dos limites de sua área para si mesma, este limite recebe o nome de horizonte de eventos. Este colapso é devido ao desequilíbrio entre força nuclear e força gravitacional, onde a força nuclear é menor que a força gravitacional isto significa, teoricamente, que a estrela está dando origem à um outro corpo celeste.  As naves que distorcerem o espaço-tempo de uma forma controlada, poderão diminuir o espaço em que se encontram, fazendo uma viagem que duraria 1000 anos em 10, dependendo de sua distorção, mas isto não quer dizer que se transformaria num buraco negro.

Essas teorias e possibilidades tecnológicas ainda estão longe de serem alcançadas por nossa ciência, mas, pelo menos, permitem supor que é possível viajar aos confins do Universo, como provavelmente fazem os nossos arredios visitantes!

As noções matemáticas e físicas do que é um buraco negro e uma estrela de neutrons ou de como funcionam as distorções resultantes da ultracompactação a eles associadas podem ficar mais fáceis de entender, com as imagens e filmes breves criados por Robert Nemiroff, em computador, a partir da Teoria de Relatividade de Einstein. Nemiroff é pesquisador na Universidade Tecnológica de Michigan, MTU, e do Centro Espacial Goddard, da NASA. O internauta interessado em fazer a viagem virtual por ele proposta, deve acessar Virtual Trips to Black Holes and Neutron Stars, com direito a explicações sobre os princípios da gravidade e os efeitos das distorções, retratadas nas imagens.

Comente!