Conheça os planetas do sistema solar

sistemasolar

Mercúrio
Conhecido desde a Antigüidade, Mercúrio pode ser visto a olho nú, ao amanhecer e ao entardecer, sempre próximo ao Sol. Por seu movimento rápido, recebe o nome do mensageiro dos deuses romanos (o mesmo Hermes grego) representado na mitologia com asas nos calcanhares. É o planeta mais próximo do Sol, 58 milhões de quilômetros, em média e recebe 6,3 vezes mais radiação que a Terra. Com um diâmetro de 4.878 km, é um dos menores planetas do sistema solar. Sua rotação é de 58,6 dias e sua translação ao redor do Sol, de 88 dias. A temperatura na superfície, ao meio-dia, chega a 420º C e, durante a noite, chega a 180º C negativos. Mercúrio é pequeno, quente, seco e sem ar. Sua massa é de 0,06 vezes a da Terra. Sua superfície é semelhante à da Lua, com grande quantidade de crateras, pois, não tendo atmosfera, fica bem suscetível aos meteoros que cruzam com sua trajetória. Existem crateras com mais de 200 Km de diâmetro. Mercúrio não possui satélites.


Vênus
Depois do Sol e da Lua, Vênus é o astro mais brilhante de nosso céu. Pode ser visto a olho nú ao amanhecer e ao entardecer, sempre próximo do Sol. Recebe o nome da deusa romana da beleza (Afrodite na mitologia grega) e também é chamado popularmente de Estrela-d’Alva. Com diâmetro semelhante ao da Terra, 12.104 km, é o segundo em ordem de afastamento do Sol: 108 milhões de km, em média. É o planeta mais próximo da Terra, chegando a uma distância mínima de 41 milhões de km. Seu movimento de translação é de 225 dias. O de rotação, de 243 dias, é feito em sentido contrário ao da Terra. Vênus não possui satélites.

Marte
Conhecido desde a Antigüidade, Marte pode ser observado a olho nú, distinguindo-se no céu por sua cor avermelhada (devido a presença de óxido de ferro – ferrugem – em seu solo). Talvez por isso recebe o nome do deus da guerra romano (o mesmo Ares da mitologia grega). Quarto planeta em distância do Sol – 227 milhões de km, em média – , com diâmetro de 6.787 km, é cerca de oito vezes menor do que a Terra. Sua temperatura varia de 17º C a -120º C. Seu dia dura cerca de 37.5 minutos a mais que o nosso. Sua atmosfera, composta basicamente de gás carbônico, com pequenas quantidades de nitrogênio e oxigênio, é quase 100 vezes mais tênue que a terrestre. Possui dois pequenos satélites, descobertos em 1877: Fobos, com 21 km de diâmetro, e Deimos, com 12 km.

Júpiter
Recebe seu nome do principal deus da Roma antiga (o mesmo Zeus da mitologia grega). Pode ser observado a olho nú, distinguindo-se no céu por seu brilho, menor apenas que o de Vênus, o da Lua e o do Sol. É o maior planeta do sistema solar e o quinto em distância do Sol: 778 milhões de km, em média. Seu diâmetro de 142.795 km é 11,19 vezes maior que o terrestre e seu volume é 1.400 vezes maior. A massa de Júpiter é 318 vezes a da Terra e cerca de 2,5 vezes a massa de todos os demais planetas do sistema solar reunidos. Júpiter tem 16 satélites. Os quatro maiores – Io, Europa, Ganimedes e Calixto são identificados por Galileu Galilei, em 1610. Os três mais recentes são descobertos a partir das fotos enviadas pela Voyager 1, em 1979. As fotos também mostram um tênue sistema de anéis que gravita ao redor do planeta a uma distância de 100 mil a 200 mil km de seu centro.

Movimentos e manchas de Júpiter:
O movimento de rotação de Júpiter é o mais rápido do sistema solar: 9h55min. Essa velocidade faz com que os gases de sua atmosfera movam-se em correntes paralelas ao equador, formando faixas multicoloridas. Apresenta, no hemisfério sul, uma grande mancha vermelha que trata-se de uma imensa e duradoura tempestade com um diâmetro duas vezes maior que o terrestre. A translação de Júpiter ao redor do Sol é de 11 anos e 10 meses.

Shoemaker-Levy 9:
O campo gravitacional de Júpiter desviou a órbita do cometa Shoemaker-Leyy-9, quebrou seu núcleo e atraiu os fragmentos para sua superfície . Entre os dias 16 e 22 de julho de 1994, 21 fragmentos do cometa chocaram-se com Júpiter produzindo, um espetáculo cósmico nunca antes presenciado pela humanidade.

Saturno
Segundo maior planeta do sistema solar, Saturno é o sexto em afastamento do Sol: 1,4 bilhão de km de distância, em média. Conhecido desde a Antigüidade, recebe o nome do deus romano do tempo (Cronos, na mitologia grega, o pai de Zeus, ou Júpiter). Pode ser observado a olho nú, mas sua localização é mais difícil devido ao seu brilho pouco intenso e à lentidão de sua órbita. Com diâmetro de 120.000 km, é 9,4 vezes maior que a Terra, e seu volume, 830 vezes maior. Também é um planeta formado por gases e o único do sistema solar com densidade média inferior à da água (0,7 g/cm³). Sua temperatura superficial é da ordem de -160º C e sua atmosfera é muito semelhante à de Júpiter.

Movimentos e manchas de Saturno:
A rotação de Saturno é muito rápida: 10h e 36 min. Por isso, os gases de sua atmosfera formam faixas paralelas ao equador, semelhantes às encontradas em Júpiter. Sua atmosfera é bastante agitada por fenômenos associados a ciclones.

Anéis e satélites de Saturno
Há centenas de anéis girando ao redor do planeta, a distâncias que variam de 67 mil a 483 mil quilômetros de seu centro. Formados por blocos de gelo e partículas sólidas, os anéis de Saturno podem ser observados por lunetas e telescópios amadores. O planeta possui 17 satélites, seis deles descobertos pelas sondas espaciais Voyager 1 e 2. Há ainda a possibilidade de um décimo oitavo satélite, mas sua existência ainda não está confirmada. Titã, descoberto em 1655, é o maior satélite existente no sistema solar, com volume superior aos de Mercúrio e Plutão e atmosfera de 200 km de espessura.

Urano
A uma distância média de 2,86 bilhões de km do Sol, Urano dificilmente pode ser observado a olho nú. Descoberto em 13 de março de 1781 pelo astrônomo William Herschel, recebe o nome de um primitivo deus grego, Urano, o pai de Cronos (o Saturno romano). Terceiro maior planeta do sistema solar, como Júpiter e Saturno tem um núcleo sólido e espessa camada líquida e gasosa, composta principalmente por amoníaco e metano, além de hidrogênio. Tem cor esverdeada, seu diâmetro de 50.800 km é 3,8 vezes maior que o da Terra, e sua temperatura superficial é de 190º C abaixo de zero.

Movimentos de Urano:
A rotação de Urano é realizada em 15h e 36min e o eixo de rotação apresenta uma característica única: enquanto nos demais planetas o eixo de rotação é quase perpendicular ao plano da órbita, apontando para o norte celeste, o de Urano é quase coincidente (gira de lado). Uma possível explicação para essa curiosa inclinação está na suposição que Urano tenha recebido, há muito tempo atrás, uma pancada lateral, ao ser golpeado por outro corpo celeste. Demora 84 anos para completar sua órbita em torno do Sol.

Satélites e anéis de Urano
O planeta tem 15 satélites, dez deles descobertos pela Voyager 2, em 1986. Os maiores são Miranda, Ariel, Umbriel, Titânia e Oberon. Em 1977, é detectado ao redor do planeta um sistema de nove finos anéis de poeira e partículas congeladas, dispostos entre 38 mil quilômetros e 51 mil quilômetros de seu centro.

Netuno
Há 4,5 bilhões de km, Netuno é o oitavo planeta em distância do Sol e não pode ser observado a olho nú. É o primeiro descoberto a partir de cálculos matemáticos. O astrônomo inglês John C. Adams e o francês Urbain J.J. LeVerrier percebem separadamente perturbações na órbita de Urano e supõem que são causadas pelo campo gravitacional de um outro planeta, ainda desconhecido. Calculam a data e a posição no céu em que o suposto planeta poderia ser encontrado. O astrônomo alemão Johann Gottfried Galle localiza-o dia 23 de setembro de 1846, exatamente na região indicada. O planeta recebe o nome de Netuno, o deus romano do mar (o mesmo Poseidon da mitologia grega). Seu diâmetro de 48.600 km é quase quatro vezes maior que o da Terra. Sua temperatura superficial é estimada em -200º C. Sua atmosfera, composta por hidrogênio, metano e amoníaco apresenta cor azulada. Em 1989, a sonda Voyager 2 fotografa gigantescos redemoinhos na atmosfera do planeta.

Movimentos de Netuno
Assim como os outros grandes planetas do sistema solar, a rotação de Netuno é rápida: 18h e 24min. Sua translação demora 164 anos e 280 dias.

Plutão
Menor e o mais distante dos planetas já descobertos no sistema solar, Plutão também é o menos conhecido. Vários astrônomos sugerem sua existência devido às perturbações observadas nas órbitas de Urano e Netuno. Percival Lowel calcula suas possíveis posições no céu em 1915 e o planeta é descoberto em 13 de março de 1930, pelo astrônomo americano Clyde W. Tombaugh. É batizado com o nome do deus do inferno dos romanos (o mesmo Hades da mitologia grega). Localizado a 5,9 bilhões de km do Sol, sua temperatura média é da ordem de -230º C, e metano é o gás predominante em sua atmosfera. Seu diâmetro, da ordem de 2.300 km é 5,5 vezes menor que o da Terra e sua massa é 410 vezes menor que a terrestre. Como seu tamanho é inferior a vários satélites de alguns planetas, muitos astrônomos supõem que Plutão é um satélite desgarrado do planeta Netuno.

Movimentos e satélite de Plutão
A rotação de Plutão é realizada em 6 dias e 9 horas e a translação em 248 anos. A excentricidade de sua órbita faz com que em alguns períodos fique mais próximo do Sol que o planeta Netuno. Caronte, seu único satélite conhecido, é descoberto em 1978 pelo astrônomo James W.Christy.

Comente!